Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 14:21 | 9 comentários

"Na História Antiga os sacrificios humanos eram feitos nas colinas à beira dos rios. Eram milhares de pessoas. Nesses sacrificios os corpos eram queimados numa pira. Depois que dezenas de pessoas são sacrificadas e queimadas. Chove na pira ardente ano após ano, as pessoas são queimadas ano após ano, e a água penetra o carvão que se transforma em soda cáustica, e a soda se mistura com a banha derretida dos sacrificios e uma gosma de sabão se desprende do pé do altar e desce pela encosta em direção ao rio. Onde o sabão cai no rio depois de milhares de anos, a chuva a gente morta, os antigos descobriram que as roupas lavadas nesse lugar ficam mais limpas. As culturas que não conhecem o sabão, usam a própria urina e a urina de seus cachoros para lavar as roupas e o cabelo, por causa do ácido úrico e da amônia. Fizeram bem em matar toda aquela gente. Vai ver que o primeiro sabão foi feito de Heróis. Pense nos animais usados em testes de produtos. Pense nos macacos lançados ao espaço. Se eles não morressem, se não sofressem, sem o sacrificio deles não seríamos nada."

Tyler Durden

Posted byTrunkael | Marcadores: | às 14:13 | 9 comentários

Primeiramente esqueça todas as suas crenças, apenas por um momento. Agora imagine que Deus não existe, e que nunca existiu, e que tudo que fazemos tem uma causa e consequência, e que toda a mudança do mundo é feita por causas naturais. Imagine também que a inteligência humana é um acidente, um defeito poderíamos dizer.

Se pensarmos bem, talvez seja verdade. E se realmente o universo fosse formado por uma grande explosão que fez com que a matéria se espalhasse por ai. Dai em alguns bilhões de anos depois, por pura sorte do sol estar no lugar onde está a terra começa a ter formas de vida simples.

Alguns anos (milênios) depois, por algum acontecimento anormal essa forma de vida vai conseguir se auto multiplicar, e assim vai evoluir até chegue a ser um mamifero muito parecido com o macaco. Imagine também que toda a natureza vivia em perfeito equilibrio. E agora pense que um desses ancestrais do macaco nasceu com um tumor no cerébro, tumor esse que multiplicou os neuronios, e deu uma capacidade primitiva de raciocinio. E que antes de morrer, esse macaco conseguir disseminar seus genes em várias fêmeas. E pelo menos 50% desses filhotes nasceram com essa "doença".

Imagine que depois de algumas gerações eles se adaptavam melhor à natureza, e os outros do grupo foram morrendo até que sobrou apenas essa nova raça. O resto não precisa nem imaginar, ocorreu a seleção natural que ocasionou a evolução até que chegasse ao estado que hoje estamos.

Depois de percorrer toda essa possivel história da humanidade, imagine que o meteoro, que extinguiu os dinossauros, não tivesse caido na terra...

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 14:10 | 3 comentários

No momento em que todas as matérias (do curso de jornalismo) estão direcionadas para o assunto: cotidiano, eu recebi um texto sobre a rotina, e mais estranho do que isso é perceber que mesmo aqui em outra cidade, com tantas pessoas desconhecidas e tantas coisas diferentes para fazer, eu esteja caindo nessa armadilha.

Os dias estão começando a ficar iguais, o tempo tem passado mais rápido, a simples presença de algumas pessoas já passam a me irritar, minha personalidade autista começa a querer sair novamente, e minha paixão por livros teve uma queda.

Mesmo tendo um fim de semana bem legal (festa, festa e torneio de magic) cheguei na segunda feira sem nenhuma vontade de pensar, preferia estar apenas assistindo um filme.

Falando nisso, está na hora de assistir o Clube da Luta (pela 11ª vez) na casa do X-Kuei, até a próxima.

Posted byTrunkael | Marcadores: , , | às 14:02 | 3 comentários

Ótimo filme, altamente recomendado.

A cada fragmento de memória uma peça nova é apresentada, e quanto pensamos que o filme está totalmente previsível que nos supreendemos mais uma vez.

As indagações que esse filme trás são impressionantes, ele trabalha com pensamento de diversos filósofos (Freud, George Santayana, Berkeley, etc) e faz como que o telespectador coloque-se no lugar do personagem principal a todo momento.

Como sua memória são suas anotações, ele não reconhece nada que não tenha escrito, ou tatuado pelo corpo. Assim então ele vai forjando sua própria realidade a cada dia.

A esposa dele foi assassinada, e desde então ele quer vingaça contra o assassino, trabalha como um detetive, com o auxilio de um Policial (Teddy).

Para conseguir viver sem sua memória de curto tempo ele faz anotações e tira fotos, e têm que confiar nesses apetrechos para que saiba o que estava fazendo.

Após um acidente, o protagonista Leonard passa a sofrer de Amninesia instantânea. Ele lembra de tudo que aconteceu antes do acidente, mas sua memória se tornou incapaz de gravar.

Primeiramente devo contar-lhes que o filme se passa de trás para frente, e isso dá um efeito magnifico.

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 14:01 | 2 comentários

Resolvi mudar meu template, dai depois só resolvi animar o banner e tudo bem, pois eu gosto do meu template!

Há muito, muito tempo atrás, eu tive contato com as tais mensagens subliminares através de uma página chamada (adivinhem) Mensagem Subliminar HP (que se tornou uma ong) e também pela Sobrenatural HP (sim na época eu ainda era um viciado em "drogas"). Ficava maravilhado ao ver esses "doutores" do bem mostrarem ao mundo o quanto pode ser nociva uma simples propaganda na televisão.

As Mensagens foram utilizadas iniciamente como propaganda Subliminar em cinemas, que faziam as pessoas consumirem mais pipoca e Coca-Cola. E hoje é utilizada por toda parte, principalmente se um maníaco sexual estiver procurando, já que esses, acham grandes pênis em tudo enquanto é canto.

O que outrora era uma pesquisa séria para mim, acabou se transformando em motivo de piada, visitava as mencionadas páginas com exclusiva inteção de rir um pouco da "imaginação" alheia. É bem interessante ver que certas pessoas vêem mulheres nuas até na cerveja sendo derramada no copo (interessante eles ainda não atentarem ao fato de que a garrafa de cerveja parece um pênis e que o copo pode ser representado por uma vagina molhadinha, e o ato de beber cerveja é extremamente estimulante).

Mas não se preocupem, Freud explica isso: a falta de sexo causa uma doença chamada vejopenisemtodososlugares (inclusive, dizem os especialistas, que o fundador da ONG Mensagem Subliminar foi o primeiro a contrair a tal doença, por falta de sexo) doença que foi levada à comunidade científica após o público ter conhecimento das Mensagens Subliminares. Assim, os portadores, agora sem vergonha, mostram para todos que ali há um pênis "um pênis oh! tá vendo?" - "É mesmo! Um pênis! Um pênis!".

Fica assim demonstrado o grande bem que os estudos de mensagens subliminares estão fazendo para os portadores da doença vejopenisemtodososlugares que param de visitar sites pônos, e agora se masturbam vendo rótulos de cervejas.

Sabe uma coisa que me chamou muita atenção nesses 3 livros, todos tem cunho budista. "O Filho do Amanhecer" é um livro budista, "O Mundo Virtual" tem budismo escorrendo pelos chips, e "Clube da Luta" sim, tem budismo. O personagem principal, quando estava começando a entender Tyler, fazia poemas HAIKAI, e para toda a forma de dor, ele se fechava e dizia-se o monge iluminado.

O Mundo Virtual, também trata de anarquia, fato ilustrado pela Terra de Ninguém, no Gametime, e Filho do amanhecer, também (principalmente) mostra a busca do self, como a maior forma de sabedoria e poder. Mas em Clube da Luta que tudo acontece ao mesmo tempo. A pancada que o livro dá na sua cabeça é tão forte (assim como foi o filme, ao assistir pela primeira vez) que você fica horas, talvez dias, tentando decodifica-lo, entende-lo, digeri-lo. E a noite tentando dormir, fica regurgitando as informações, tentando perceber o que a emoção não deixou que entendesse antes.

O Filho do Amanhecer é tão irreal (não pelos ensinamentos, mas pela história que o garoto vive) que não conseguimos nos colocar no lugar do Hakim. O Mundo Virtual é tão possivel e utópico ao mesmo tempo, que parece que estamos assistindo um filme (as imagens se formam espontâneamente em nossa cabeça). Mas em Clube da Luta, nós, somos o personagem principal, o autor nem sequer usa travessão para indicar a fala, e fica como se sempre estivesse dialogando em pensamentos. É perfeito.

/Fim das considerações/

Eu o havia comprado a quase um mês, mas não tinha coragem de abri-lo, minhas mãos tremiam, tive que tira-lo de minha vista para não sucumbir à tentação. Tinha que esperar o momento certo. E aquele era o momento. Comecei a ler, palavra por palavra, página por página, e a cada capítulo, eu parava e pensava.

As frases, os poemas, o pensamentos...

Jack? Não! Joe.

O Projeto de Ações violentas estava nas ruas, todos temiam, todos participavam. Tyler era invencivel, se tornava uma lenda.

Mas quem é o autor de Tyler? Qual seu nome? Jack? Bob? Tyler? Não! Não sabemos.

Mas ele estava vivo, e fazia o que tinha que fazer: vivia, matava e morria todos os dias.

No final, ele está no céu...

"E eu era uma pessoa tão gentil"

(Este também comprei por impulso, estava a R$ 5,90, e parecia uma história interessante)

O Filho do amanhecer trata-se de uma pequena história de um garoto de rua em busca pelo poder. Ele anda por várias cidades, conversa com muitos sábios, todos já parecem conhece-lo a muito tempo e partilham de sua experiência expontâneamente.

O livro é bem simples de ler, é uma parábola que resume os ensinamentos de Deepak Chopra (pai do Guama), e por isso, o achei muito breve, incompleto, e leva do nada a lugar nenhum. Claro que tem muitas frases interessantes, idéias legais, e maneira interessante de ver certos fatos. Mas no final a idéia principal passa desapercebida, mas talvez eu que não tenha dado tanto valor, sei lá. Vai do nada para lugar nenhum, mas o caminho é que importa. Isso é interessante.

De todo jeito, recomendo-o para todas as pessoas que se simpatizam com o budismo (hey Acid) por que ele pode abrir portas para vários caminhos que ainda não conhecemos.

(Quando fui à Leitura, a idéia era comprar apenas o livro Clube da Luta que eu tinha encomendado, mas eles estavam em liquidação, e sabe como é né, um livrão de 400 páginas por apenas R$ 4,50 (isso mesmo, quatro e cinquenta) não poderia ser deixado para trás)

Todos sabem que Matrix mudou a noção de realidade, e principalmente todas as 8 (ou 9) artes por todo o mundo. "O Mundo Virtual" é um filho de Matrix. Livro que trata de um futuro próximo, onde nós teremos diversão diretamente injetada na mente. Nosso cérebro será conectado à rede, e por apenas impulsos cerebrais poderemos divertir pelos diversos mundos virtuais.

Só que deu pane no sistema, e milhares de mentes de crianças (apenas crianças, pois os adultos morreram instantâneamente) estão presas no Gametime. Gobi, que é um profissional de consultoria cármica das empresas do ramo, é designado para salvar o mundo virtual, tendo que achar o presidente da empresa Satori (do Gametime) e conseguir o código de acesso. O filho de Gobi está preso no Gametime tb.

Bom, não vou continuar contando o livro. O comprei com uma pitada de dúvida, pois estava muito barato, mas logo me vi viciado, pois têm linguagem simples, aborda questões interessantes, e tem uma simbologia rica. Mistura budismo, espiritismo, hinduismo, cultura japonesa e tecnologia, em uma dose interessante. Têm milhares de analogias. Aposto que o Acid ia gostar (ou não).

Vale a pena.

Posted byTrunkael | Marcadores: , , , | às 12:35 | 12 comentários

 Estava navegando por um determinado forúm, e cai em uma discussão sobre "As origens satânicas do Rock". Nem continuei procurando, pois daqui a pouco acharia tópicos como: "RPG causa atentado terrorista na França"; "Achado fósseis de Adão e Eva para comprovar Gênesis"; "Como fazer para adotar uma baleia que está nadando do outro lado do mundo" ou até "Salve-se: O juizo final está próximo".

Eu realmente achei que não existiam mais esse tipo de discussão na internet, por que aqui as pessoas tem tanto acesso à informação, que conseguem diferenciar o real do (ridicularmente) irreal. E agora me deparo com pessoas ainda dizendo que Rock é coisa do demônio, possivelmente haverá forúns discutindo a idade de Adão, os ETs que vigiam a Terra, as energias que emanam de um livro de RPG.

Há espaço para esse tipo de discussão ainda? Sim, claro que há, vamos discutir a história do Rock, a possivel existencia de vida (bem longe daqui) fora da terra (onde podemos apenas supor), e como as empresas estão usando RPG para treinamento de pessoal e auditoria interna. Mas colocar mitos nas discussões? Pra quê? Se não passam de mitos, por que então devem ser discutidos?

O misticismo chama muita atenção de todos, mas querer colocar o sobrenatural (ou seja, "o que não é natural") como fato cientifico. Não é possivel que as pessoas ainda discutam a existências de demônios, todos eles são imaginários, nós mesmo os criamos. Parece que os crentes tem medo que o demônio suma da face da terra, pois assim não terão com quem lutar, e de quem proteger os fiéis.

As pessoas têm que aprender a pensar. Não estou dizendo que todos que acreditam em duendes são ignorantes, mas sim, que temos uma mente questionadora, temos uma razão, e também temos bom-senso, e devemos usa-los pelo menos de vez enquando, para que, pelo menos, não fiquemos alienados a assuntos que são totalmente desnecesários à nossa vida.

A natureza por si já é misteriosa o bastante para que uma pessoa passe toda sua vida estudando, e mesmo assim morra sem nada saber sobre ela. Para que então ficar discutindo a "sobre-natureza" que não pode ser vista, e muito menos estudada cientificamente, e que, pior ainda, vai te levar apenas do nada, para lugar nenhum.

O que digo, não é uma questão de desrrespeito à crença de outras pessoas, mas sim um pedido para que usem o bom-senso de vez enquando, e pensem com a própria cabeça, e não como a sua igreja, televisão ou familia, querem que você pense.

"Não é possível convencer um crente de coisa alguma, pois suas crenças não se baseiam em evidências; baseiam-se numa profunda necessidade de acreditar."
Carl Sagan

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 12:28 | 5 comentários

Em alguns de meus antigos textos, eu usava o termo "acordado" para descrever a pessoa que vive plenamente sabendo que nasceu para ser feliz mesmo sabendo que um dia (com certeza) vai morrer, um ser que faz o que quer, com a responsabilidade que deseja.


Lembro também, que em determinado texto, eu pedi a opinião do BM e ele disse que não gostava do termo "Acordado". Não sei, talvez por que seria apenas uma forma de dizer que todos estão dormindo.

Hey BM, descobri que o verdadeiro sujeito que cunhou a "idéia acordado" foi o Nietzsche, creio que todos aqui o conhecem. Ele criou um termo chamado Super Homem (ou Sobre-Humano) que tem a conotação que eu queria dar para o termo "Acordado".

... Interessante ....

Agora, pensando bem, Acho que você já sabia disso o.o ...

Há quem diga que a, solução é o amor.

Talvez seja a mitica felicidade.

Ignorância, alguns diriam (pois, dizem, que ela leva à felicidade).

E talvez a morte, se for alguém mais pessimista.

Mas em fatores práticos, será que problemas poderiam ser resolvidos com apenas determinação? Ou quem sabe seria mais interessante esquece-los, enterra-los. Será que eles tem solução?

Alguém (que poderia ser eu) diria que os problemas são todos imaginários, e que nós mesmo os criamos, e os induzimos, para que possamos pensar em como resolve-lo. É utopia pensar que existe uma maneira fácil de sair deles, justamente por que precisamos sempre de desafios a serem alcançados. Se você fosse uma pessoa que não tem muitos problemas, na certa não teria muitas soluções para uma pequena complicação.

BM me lembrou a pouco tempo de uma interessante frase no livro "Ilusões" do Richard Bach: "Não existe um problema que não ofereça uma dádiva para você". E é por isso que procuramos/criamos problemas, para garantir a experiência que podemos ganhar resolvendo-o (algo parecido com guerreiros que matam dragões para ganhar seu tesouro?).

Problemas, crises, depressão, sindrome-de-qualquer-coisa. Tudo de alguma forma é criado por nossa própria mente, para que possamos crescer.

Você pode esconde-lo, chutá-lo ou ingnora-lo, mas só vai receber a sua recompensa se resolve-lo de forma definitiva. Por isso, quando você criar um problema, dê valor a ele, entenda-o, pois são eles que darão força e conhecimento para você continuar evoluindo.

"Encare seus problemas, nem que seja para conseguir suas dádivas"

Posted byTrunkael | Marcadores: | às 12:09 | 5 comentários

Ultimamente não tenho mais devaneios como eu tinha.

Não sei, acho que tudo caminha para a banalização, e me sinto banalizado agora. Penso que tenho que mudar alguma coisa, talvez minhas convicções não sejam tão fortes como imaginei. A tentativa de ser diferente tem tapado meus olhos para algumas verdades.

Nesse exato momento (talvez pq esteja gripado) eu me sinto um "nada" no mundo, alguém que não pode nem ao menos gritar, e mesmo se o fizesse não seria escutado, e, mesmo que escutado, não seria entendido, e se fosse entendido, possivelmente seria ignorado.

Posted byTrunkael | Marcadores: , , | às 12:06 | 1 comentários

Hey John, realmente o livro do Assimov não poderia ser tão ruim. Após comentário do Marcel, e de ter visto um post no blog dele, louvando o Isaac, eu tive que dar mais uma chance para o cara, e achei mais uma pérola. O conto se chama: "A Resposta Final" e é magnifico, esse é um pouquinho mais extenso e não vou compilar aqui, mas farei um resumo da história.

Um físico ateu morreu. E veja bem, encontrou com Deus. E deus lhe dissera que ele era um dos poucos que ali chegavam. O físico questionou intrigado, e Deus respondeu que as pessoas mais inteligentes são delegados para responder perguntas metafisicas por toda a eternidade. Mas o fisico não quer, pois Deus já sabe todas as respostas, e resolve que descobrirá como matar Deus. O Todo Poderoso, louco por um desafio, aceita e deixa o físico a pensar.

Mas para um ser quer sempre viveu, e sempre viverá, e do qual a unica coisa que não sabe é de onde veio e para onde vai, não seria a maior conquista do universo achar alguém que lhe desse um fim?

Foi muito resumido, mas creio que entenderam a essência da coisa, não vou me dar o trabalho de explicar.
Ponto para você Marcel.

Já era de se esperar que Cidade de Deus não ganhasse nada, mas eu não esperava que Senhor dos Aneis ganhasse tantos Oscar. Não que não tenha merecido, pois valeu cada grama do ouro daquelas estatuetas (se é que são feitas de ouro). O resultado não poderia ser melhor, e ao lado de Titanic e Ben-Hur temos agora a obra de J.J.R. Tolkien.

Realmente foi o melhor filme que já assisti (como uma grande produção e não como ideologia, que no caso é Clube da Luta), e acho que poderiam até dar um oscar a mais, por que merecia.

Filme: Mestre dos Mares

Achei bem interessante também a premiação de Mestre dos Mares, assisti ele na sexta e gostei muito apesar de tantos comentários contra ele. Não sei nada tecnicamente sobre fotografia, mas reconheço que a trilha sonora mereceu, comandante e médico, tocavam violino e violãocelo o tempo todo, o que dava um toque bem confortável ao filme.

Houve cenas e frases muito boas, a parte em que o médico tira a bala do próprio abdomen é maravilhosa, tanto quanto a parte em que ele tem que deixar o fruto de sua expedição na ilha galápagos para trás.

Outra questão que merece comentário, são as crenças dos marinheiros: "eles podem aguentar tudo em alto-mar, menos um Jonas". Quando o azar invadia o barco uma pessoa era apontada como o azarento, o Jonas, e assim o amaldiçoavam. E, é claro, esse se sente amaldiçoado. O jovem rapaz (não me lembro o nome, o tal Jonas) ficou com um peso tão grande sobre sua cabeça, que pegou uma bola de canhão e pulou ao mar. Acho que devido as circunstancias, até eu faria o mesmo.

Muito bom filme. Se eu fosse cunhar um adjetivo, eu diria que é um MM cinematógrafico (hey BM não me venha falar que estou te copiando).

Posted byTrunkael | Marcadores: , , | às 05:01 | 4 comentários

*digerindo o livro que foi devorado ainda hoje*

Bom... eu tentaria não falar o nome de Tyler Durden, mas não há como não comparar "Utopia" com a filosofia de Tyler: "quero ver as pessoas caçando a própria comida nas ruinas de NY".

"Utopia" (literalmente não-lugar) descreve como seria o sistema politico perfeito, que é colocado em prática na ilha de Utopia, uma sociedade que não usa dinheiro e o trabalho é perfeitamente dividido. Resumindo: o mundo socialista (ou comunista, tanto faz) perfeito, e ele descreve com acertada precisão esse sistema.

Mas...

Para mim pareceu uma cidade como a de O Demolidor (aquele com Stalone e Sandra Bullock) só que de forma primitiva. As pessoas vestem-se iguais, estudam (se estudam) as mesmas coisas, ganham a profissão do pai e são controladas pelos patriarcas.

A idéia é bem engenhosa, ele descreve os valores das coisas, a tática de comércio e de guerra, mas para mim não passa de um mundo de robozinhos que ficam tão entediados com a vida que o que vier é lucro. É utópico (e ele mesmo cunhou essa expressão) por que não daria certo de forma alguma.

Muitos líderes com certeza gostariam de controlar esse rebanho manso, mas creio que a rebeldia iria nascer no seio dessa sociedade de um jeito ou de outro, para acabar com regime tão tedioso.

Ele acertou em quase tudo, só esqueceu do livre-arbitrio (se é que isso existe) colocando muitas leis morais de cunho religioso. O ser humano não conseguiria manter-se como uma ovelha durante tanto tempo.

Apesar de não concordar com a sociedade proposta por ele, muitos argumentos utilizados são impressindiveis, e esses que tornam o livro tão interessante. A maneira como ele escreveu também me chamou muita atenção, e creio que vale a pena você investir 2 horas de sua vida para ter conhecimento dessa magnifica obra do século 15.

Não. Esse não é o livro que inspirou o filme "Advogado do Diabo" e não se assemelha nem um pouco.

É a história do Sacerdote que estava à beira da morte, e que teria que servir como Advogado da Fé (Advogado do Diabo) no julgamento do aspirante a santo: Giacómo Nerone.

Giacomo era um desertor que conseguiu chegar na cidade de Gemello (não lembro se é assim mesmo que escreve), foi recebido por uma camponesa e curado pelo médico da cidade. Desde então ele ajudou a pequena vila em tudo que poderia, sendo conhecido e reconhecido pelo povo, no mesmo momento em que acontecia a 2ª guerra mundial.

Por assuntos politicos ele foi morto, e desde então a população tem pensado que ele fazia milagres. Esse culto cresceu, e dai o bispo de Gemello Maiore (...) pediu canonização.

O Sarcerdote Inglês, que trazia em seu coração a poeira das bibliotecas (como dizem) foi chamado para resolver o caso, mesmo sabendo-se que teria no máximo mais um ano de vida decorrente de um tumor.

Ele se mete numa rede de intrigas e conflitos nas 2 pequenas cidades, mas consegue se aproximar das pessoas pela primeira vez na vida, sentir o calor humano, coisa que só sabia em teoria.

A história caminha entre o sacerdote, o médico, a camponesa, um pintor, o filho do santo e a condessa da cidade, e descreve muito bem cada pensamento que molda o jogo de interesses de cada um.

O mais interessante é que não há uma luta entre o bem e o mal, há pessoas e interesses próprios e com um final que não poderia ser melhor.

Livro meio chato de ler, mas é muito bom. Recomendado.

Hum... eu li esse livro semana passada e até esqueci que o tinha lido.

É a carta de Flória Emília, a amante de Santo Agostinho, para seu amado anos depois de ter sido deixada pelo mesmo em prol do celibato proposto pela religião cristã.
Auriel (que se tornaria Santo Agostinho mais tarde) amava Flória tanto quanto, e tinha relações carnais com a mesma antes do casamento (não houve casamento entre eles, ela seria o que chamavam de concubina), mas depois de conhecer a religião de Cristo acabou por se separar de Flória para que se tornasse um Santo.
Flória manda essa carta como que uma leve vingança. Após ter sido deixada, ela estudou filosofia a ponto de se tornar professora de retórica, e agora, uma mulher culta bombardeia seu antigo amor com todos os argumentos que podem contradizer tal religião.
É maravilhoso o modo como ela escreve sem ser rude, mas fazendo-se entender, e ao final percebemos o quanto Auriel esteve errado em fazer o que fez.

Essa é uma carta original, ela não foi escrita pelo Gaarder, mas sim comprada quase que por acaso, em um sebo de livros raros, e creio que seja de vital importância para o repertório de qualquer amante da filosofia.

Designer Webdesigner

Copyright 2010 Devaneios Gratuitos