Posted byTrunkael | Marcadores: , , | às 10:09 | 1 comentários

Você está em uma festa típica em uma cidade diferente, juntos com seus amigos e de repente vê ao longe uma pessoa extremamente linda, mas essa pessoa se afasta, parece estar de saída, não olha para você, não notou sua presença, mas você a viu, e por isso toda a sua vida foi modificada.


Em certo episódio de Soul Hunter uma das "magas" estava pescando, Taikun se aproximou e se juntou a ela. Ele pegou um peixe antes da bela maga, e se vangloriou. Quando ela tirou seu anzol da água ele percebeu que era uma agulha apenas, que não fisgaria peixe nem por magia. Indagou:

"Não vai conseguir pegar nada com isso ai"

"E não quero... Mas sinto que posso tocar o destino daquele peixe..."


Não perderia essa oportunidade. Principalmente em uma cidade diferente, nunca mais a veria. Correu os metros que lhe separavam, e apoiou nos ombros dela, que se virou meio sem jeito, não entendendo sua ação. E então você a deu um beijo no rosto dela, e foi embora.

Posted byTrunkael | Marcadores: , , , | às 14:01 | 9 comentários

No vôo anterior, antes do Narrador conhecer Tyler, ele havia conhecido uma garotinha muito interessante. Essa cena não entrou no filme por falta de espaço. Mas o diálogo é demasiado interessante, transcrevo-o para vocês:

Ele entra apressado na avião quase perdido e se senta na poltrona com o numero que indica sua passagem. Arruma sua mala e ao olhar para o lado vê uma garota olhando pela janela.
- Boa noite - tenta ser simpático.
A garota apenas olha para ele, faz uma cara de desdém e volta a olhar para janela.
- Faz frio por aqui...
Novamente a garota apenas olha e se vira. (Nesse hora você já fez uma imagem mental da expressão que o Edward Norton faria).
- Primeira amiga descartável muda que eu conheço.
- O quê? - ela replica sem entonação na voz.
- Então o gato não comeu sua língua. - tenta quebrar o gelo, mas a garota ignora a leve piada.
- O que você quis dizer com descartável?
- Tudo em uma viagem é descartável, veja isso por exemplo...
- Tá bom, tá bom, já endendi, não precisa explicar. São como os Deuses.
- Como assim? - ele se interessa.
- Exemplo - ela pega seu mp3 player com um grande fone de ouvido - vou ouvir Deus agora.
- Escutar Deus? Deus fala com você por isso ai?
- Não! Isso! - ela mostra o aparelho - Isso é Deus.
- Não entendi.
- Para a humanidade Deus é uma bengala, algo a qual todos se voltam quando as coisas vão mal, algo que precisam para manter a sanidade. Eu preciso de boa musica chegando sem interferência à minha mente, isso mantém minha sanidade, logo, isso aqui é Deus.
- O.o
- No entanto amanhã meu Deus pode ser minha câmera digital, ou talvez meu casaco, ou meu computador. Tudo que eu acho necessário no momento tem possibilidade de virar Deus.
- Cada dia você louva um Deus material diferente?
- Esses pelo menos são mais reais que o Outro - ela coloca o fone no ouvido e ignora o narrador, olhando para a janela novamente.
- Hum - ele se acomoda na poltrona - até Deus é descartável.

Eu tinha me esquecido de comentar, assisti "O dia depois de Amanhã".
O filme é bem interessante, os efeitos especiais são ótimos e a verossimilhança é incrível. Apesar da história interna (pai caminha 2 estados sobre - e sob - neve para salvar o filhinho) ser bem fraquinha o cunho político do filme é sensacional. É um grande "tapa de luva" na cara dos EUA. Foi realmente muito bom ver os norte Americanos correndo apavorados para o México. Esse é um dos futuros que eu gostaria que se realizasse, (principalmente por que o Brasil seria a nova potência mundial ^^).

Mas o fato que mais me intrigou no cinema foi esse cartaz ai, do Harry Potter 3, colocaram dois posters espelhados, que contando com a luz de fundo dava exatamente essa imagem ai (clique para ampliar). Realmente parece que o Harry tem chifres, e que em sua camisa há a forma de um demônio (seja lá qual for essa forma), mas o que me chamou a atenção mesmo foi a iniciativa do cinema de passar essa imagem. Eles não tinham que colocar imagem virada coisa alguma, estão induzindo o pensamentos de seus clientes. Fora que isso, além de anti ético, é um grande erro administrativo. Se são contra o Mega-Bruxo Harry Potter, então que não comprassem o filme dele.
Aposto que os donos (ou administradores) do cinema são evangélicos (nada pessoal John).

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 13:18 | 7 comentários

Nos últimos dias ouvi muitas pessoas reclamarem, da vida, da escola, dos colegas, e até de Deus. A frustração sempre acontece quando colocamos o peso de nosso bem estar em fatores externos. Já dizia Baltasar Grácian "O Sábio basta a si mesmo". Enquanto preservarmos a certeza de que apenas nós podemos controlar nossa vida esses fatores externos não nos afetarão. Não adianta culpar o mundo, a resposta para esses problemas estão sempre dentro de nós.

Lembrem-se de quando Neo foi visitar o Oráculo pela primeira vez, e um pequeno garoto, aspirante a monge, entortortava uma colher. "Não é a colher que entorta, é você".

Toda mudança da realidade que vai influenciar em sua vida parte de uma ação sua. Ou seja, você é sempre o culpado de todos os seus problemas. O realidade é moldável, cada ação que você fizer vai refletir em seu futuro. Tudo é causa e conseqüência.

Da próxima vez que ficar com raiva de alguma coisa ou alguém lembre-se disso, pois possivelmente vai perceber que quem criou aquela realidade foi você mesmo.

Posted byTrunkael | Marcadores: | às 13:15 | 1 comentários

- Vou desconsiderar sua ironia e vamos trabalhar em cima dessa metáfora: pessoas são palavras, normalmente palavras diferentes. E a relação com outras que é criado um texto ou contexto.
- Poesias, poemas e essas abobrinhas todas.
- É, essas abobrinhas todas. Então de uma coisa estamos salvos, pois enquanto existir seres humanos na face da terra seremos capazes de criar algo novo, pois palavras diferentes se relacionando sempre construíram frases diferentes.
- Então eu e você, além de estarmos no bar bebendo, estamos criando algo?
- Exato.
- Hey, eu tenho namorada cara.
- E enquanto você poderia estar me ajudando a pensar para criar algo melhor, você fica ironizando e concretizando sua indiferença... ou ignorância.
- Bom Mr Intelecto o fato é que você está viajando em coisas que eu não me interesso. Pessoas, palavras, poesia. Você está taxando as pessoas e criando uma formula que satisfaça sua teoria, que para mim não tem nenhum propósito. Para você esse emaranhado de palavras bonitas vão continuar servindo na sua dialética do amor perfeito. No entanto sei que muita gente trocaria a própria namorada por seus pensamentos superiores. O problema é que você utiliza essas teorias para criar problemas enquanto poderia estar agindo e criando soluções.
- O.O

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 12:41 | 4 comentários

O texto abaixo sobre a matemática foi criado para difundir uma idéia, mas acabou caminhando para o lado catastrófico da coisa. O pensamento inicial que eu queria desenvolver era sobre a matemática estar ligada diretamente à filosofia, tanto que nos primórdios não havia separação.

"Platão exigia que a formação filosófica fosse feita através das matemáticas, por serem elas puramente intelectuais, seus objetos verdadeiros sendo conhecidos por meio de princípios e demonstrações universais necessários."

A matemática é a unica lingua universal, única ciência que não parte (ao menos em sua fase pura) de suposições. É exata por que é comprovável, e a lógica filosófica deve partir de um pensamento matemático, que vai sistematizar o problema e resolve-lo de forma racional.

Não estou transformando a filosofia em uma ciência exata, mas que deve sim ser usado uma lógica matemática. Por isso coloquei no inicio do outro texto que todos deveriam aprender matemática, mas não essa ensinada no fundamental e médio que desperta muito mais raiva que sabedoria e já está mistificada no consciênte coletivo como um carrasco, preparado para cortar sua cabeça a qualquer momento.

Que a matemática seja ensinada como principio lógico e reformulada para um sentido mais prático e imediato. Fica muito mais fácil aprender ou criar qualquer coisa tendo conhecimento dos axiomas matemáticos.
Por isso o futuro é da matemática.

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 14:13 | 11 comentários

Sonhei que tinha marcado uma entrevista com Jesus.
- Se aproxime - disse Jesus - então você gostaria de me entrevistar?
- Parece que sim né, já que estou com papel e caneta na mão.
- Ah sim, então...
- Vou começar de uma vez para não perder tempo. O que mais te surpreende na humanidade?
- Que se aborreçam de ser ...
- Pó parar por ai, não venha com essa de imitar seu pai não. Seja mais original.
- Ok... vou tentar... - continuou - Que mesmo proferindo minhas palavras não praticam minhas ações, que vendam meu sangue para conseguir dinheiro, que preguem a missa da tarde e comam criancinhas a noite, que digam ser cristãos mas não perdem a chance de se vingar do próximo, que...
- Tá bom, tá bom, não precisa fazer uma lista, vamos pra próxima pergunta. Você morreu pelo o que mesmo?
- Pelos pecados da humanidade.
- Que pecados foram esses?
- O pecado original, você sabe.
- O que foi o pecado original?
- A história da maçã.
- E que história é essa?
- A maçã porra! Você não leu a bíblia não? a cobrinha trouxe a maçã pra Eva e ela deu pra Adão! - gritou.
- A sim, calminha ae santidade, eu sei, a historinha da maçã. Você ainda acha que seus fieis acreditam nela?
- Bom, era uma parábola, mas muitos acreditam piamente nela ainda.
- Então se era uma parábola, você morreu pelo o que?
- Errr... bom...
- Pode falar, não tenha medo.
- Ok, ok, pela vida eterna.
- Ahm... Falando em vida eterna, Vossa Santidade ressucitou no 3º dia, certo?
- Sim.
- E depois que ressucitou, para onde Vossa Santidade foi?
- Não tem pergunta mais fácil não?

Ai eu acordei, e nem deu tempo de perguntar as grandes questões da humanidade.

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 14:03 | 6 comentários

Eu sei que faz muito tempo que eu estou batendo nessa mesma tecla. Mas são coisas que me aparecem de forma tão clara que é quase impossivel não exteriorisar. Vejo a comodidade como uma doença social que já está espalhada por todo o mundo. Essa doença tem que ser curada. O ser humano está usando dogmas como muletas ao invés de andar com suas próprias pernas. Tome as rédeas de sua vida para si.

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 13:59 | 4 comentários

"O Despertar raramente acontece na infância. Os pais satisfazem abundantemente as necessidades da maior parte das crianças, deixando-as tão confortáveis com o status quo que não existe ímpeto necessário ao processo. Ele é similarmente improvável na velhice. As pessoas idosas, diferentes da maior parte da sociedade mais jovem, geralmente descobriram algo para concentrar sua atenção na vida. Seja construir uma carreira, erigir uma família ou embriagar-se todos os dias, existe algo no cotidiano que os fazem sentirem-se completos, e os prende eternamente à confortável realidade estática no processo. Mesmo aqueles sem esse senso de propósito , descobrem um nicho familiar e confortável que os impede de explorar algo mais."

O Despertar vem sempre do incômodo. Dessa sede de conhecimento. De saber que há algo mais. Algo que não pode ser satisfeitos por meros caprichos ou pelo conforto de uma rotina. O despertar acontece quando você percebe que seus problemas são genuinamente seus, não de seus pais, do Governo, ou de Deus. Seus somente, e você deve resolve-los sozinho. É entender o mundo por várias visões e não somente pela que lhe foi imposta desde sempre. É ter consciência que você deve controlar a sua própria vida.

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 13:56 | 4 comentários

(uma análise da disciplina: "Mediação: Técnica e Experiência Estética")

A rotina é viciante, e quando temos que sair um pouco dela nos bate uma sensação de desconforto. O ato de aprender uma coisa nova é uma tortura mental pois nosso cérebro foi adestrado para entender apenas aquilo que é interesse comum.

É muito difícil que nós, seres humanos modernos, saiam desse ninho confortável da alienação para aprender algo sozinho. A escola comum também não faz esforço algum para mostrar ao aluno que existe algo além das matérias convencionais. E o aluno concorda prontamente.

Quando um professor nos passa um filme de Glauber Rocha e pede para analisar e escrever sobre ele, parece uma tarefa impossível para os seres humanos modernos que estão acostumados com filmes de holywood, futebol e novelinhas da globo. No entanto qualquer um que estiver disposto a quebrar essas correntes pode entender o "cinema novo" e dissecar o Glauber.

A disciplina de Mediações jogou em nosso colo aquilo que nem sabíamos que existia, e o choque foi tão grande que muita gente não conseguiu sair do lugar. Pois não tinham parâmetros de comparação para aquele novo tipo de arte.

É como falar para um religioso ver um mundo sem Deus. Ele nunca vai ser correto em sua visão, pois o dogma que lhe impuseram desde criança está impregnado em sua forma de pensamento.

Enxergar o mundo de outros pontos de vista e conseguir esculpir a realidade de maneira responsável. Essa é a nossa meta. Pois não adianta se formar em um curso superior para ter a mesma visão (atrofiada) de quem já está no mercado.

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 13:39 | 2 comentários

Em "Mago - A Ascensão" a Tradição dos Vazios foi a que mais me chamou a atenção. Para eles o mundo e tudo que há nele está morrendo, e aceitam isso. Celebram o niilismo e a rejeição dos padrões sociais. Eles aceitam o que querem e rejeitam todo o resto. "Eles desprezam o passo frenético da vida cotidiana, a tecnologia brilhante e pegajosa da propaganda em massa e a estratificação banal da sociedade".

Um grupo de rejeita qualquer forma de organização poderia ser tido como simples anarquistas, mas os Vazios são mais parecido com os poetas e filósofos de boteco. Discutem alguma coisa aqui e ali, mas preferem apenas viver sua vida e esperar o fim dos tempos. Tudo que não há valor imediato é descartável.

Para os membros dessa tradição, mesmo que o mundo não esteja condenado, é um lugar genuinamente ruim. Eles cultivam uma grande curiosidade sobre os mecanismos da sociedade, mas não moveriam um só dedo para tentar colocar alguma ordem nas entranhas sociais.

O grande defeito dos vazios é a falta de convicção, eles não se movem sem ter um grande motivo para isso. Eles poderiam ficar o dia inteiro na cama sem fazer absolutamente nada.

Posted byTrunkael | Marcadores: | às 13:36 | 6 comentários

É um jogo de interpretação, isso todos sabem. Devido ao sensacionalismo da mídia se tornou popular, disso também todos estão inteirados. Só que juntamente com essa popularização, houve uma divisão no Roling Play, entre as pessoas (modistas) que jogam o RPG, e os que estudam o jogo como uma forma de arte.

Se você pegar um livro como "Vampiro - A Máscara", ler e entender, perceberá o tanto de coisas que um mestre deve saber para conseguir contar uma boa história. Para os jogadores não deveria ser diferente, cada um deve estudar todo o livro para dar conta de interpretar um personagem tão complexo. E não é só o livro que dá a base para uma interpretação interessante, a pessoa tem que ter consciência para separar as características do personagem de sua própria.

Pegue como base a lista de arquétipos (se não me engano uns 20). Cada um de nós também se encaixaria nesses estereótipos exemplificados no livro. Se a natureza e comportamento de nosso personagem é (normalmente) diferente de nossa, temos então que pensar com a visão do personagem que é a parte mais difícil já que não tem como ser totalmente imparcial.

Você deve conhecer seu personagem como a si mesmo. Se não há uma preparação e um treino com ele, vai acabar interpretando a si próprio em um mundo fictício. As grandes aventuras são sempre marcadas por interpretações teatrais onde os jogadores agem em sinergia com os outros e o mestre.

A arte começa onde termina o "jogo".

Posted byTrunkael | Marcadores: , , | às 13:33 | 2 comentários

- Paixões estragam a amizade.

- "Ascenção: Um estado místico de iluminação além da compreenção humana.

- Sabia que se você for no Google, digitar "Trunkael" e clicar no "Estou com sorte" você é redirecionado diretamente para esse blog?

- "Despertar: O momento em que se descobre o poder para mudar o universo.

- *escrito na mão: "lembrar da menina loira"*

- "É melhor ler um bom livro / ou então sair pra rua / abraçar novos amigos / pois a vida continua"

(drops a la bm)

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 13:22 | 4 comentários

É a única linguagem universal e isso já a coloca um patamar acima das demais ciências. E com a evolução das ciências computacionais a atenção pela matemática dobrou nas universidades. E não para por ai. Acredito.
Em um futuro próximo possivelmente todos os cursos superiores começarão com "Engenharia", e a matéria básica para qualquer vestibular será a matemática. Não haverá como fugir dos números.

Engenharia Biológica, Engenharia Social, Engenharia Política, Engenharia Comportamental, Engenharia Neuropsicologica (seja lá o que isso possa ser). Todas estudando o mundo de forma exata, capturando emoções e transformando em variáveis.

A Teoria do Caos seria usada para colocar o ser humano em um padrão social onde poderia ter seus sentimentos representados graficamente como os fractais. A sociedade se transformaria em um sistema operacional sem falhas.

Tudo seria perfeito. Perfeito demais...

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 13:09 | 3 comentários

Pegue um punhado de monstros já usados, uma moça bonita que luta bem, um segredo de família, uma sociedade secreta e crie um novo herói, assim teremos Van Helsing, o caçador de monstros.

Por muitos motivos eu gostei desse filme. Primeiro por que ele é extremamente exagerado.

Como assim?

Calma, eu explico.

No poster do filme diz: "Van Helsing - O caçador de monstros", e temos um morcegão voando, um monstro de um lado o lobisomem de outro e uma heroina linda do lado de Abraham Van Helsing. Ou seja, não há nada mais clichê que isso, se você ver de forma crítica vai ler: "Mais um filme de fantasia para diversão dos mortais".

No poster o filme faz um pacto com o leitor, e se esse aceita o pacto, ele entra e assiste o filme sem esperar nada a mais do que mais uma história fantástica. Não há fundos científicos, ética religiosa ou revelações filosóficas. Apenas diversão pura e simples.

A quem diga que ele acabou com os grandes personagens fazendo vampiros terem filhos, lobisomens serem irracionais ou o Frankstein ser bonzinho. Mas achei que foi mudanças interessantes. A história suportou muito bem essas mudanças.

Não vamos ao cinema para chorar sangue derramado a 2 mil anos atrás e sim esquecer um pouco o mundo "real" e se divertir com contos de fadas da era moderna.

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 13:07 | 2 comentários

- Ok, ok, entendi. Você procura alguém que lhe completa então. - Ironiza.

- Sim, mas você teve apenas um entendimento precoce do que eu quero dizer. Pense comigo. Imagine que cada pessoa na face da terra representa uma palavra. As mulheres são palavras. Algumas feias, outras bonitas, com grande significado ou não. Mas essa palavra só fará um sentido realmente relevante quando em um contexto. Frases, textos e poesias. Juntando as palavras se consegue criar idéias maravilhosas, uma palavra sozinha não passa de um signo solitário, mas a relação entre duas palavras pode se transformar em contos épicos. Não quero apenas alguém que me complete, mas sim com o qual eu possa escrever a mais bela das poesias... - e olha para o céu viajando nas suas próprias palavras, e tentando descobrir de onde veio a inspiração para as mesmas.

- Sabe... Acho que você só está justificando sua incompetência.

- O.o

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 13:05 | 0 comentários

Uma história antiga que todos já conheciam, contada de um ponto de vista diferente. Interessante. Divertido. Mas o filme deveria se chamar Aquiles, já que é a história dele que é mais retratada.

O filme tem alguns diálogos interessantes, cenas de batalhas fenomenais e uma disputa de ego impressionante, mas deixou a desejar. Subverteu muito Homero, despediu os Deuses do Olimpo, mostrou que a história é feita por homens e não monstros. Real demais para ser verdade.

Por outro lado uma guerra de 10 anos é retratada em menos de um mês, e o resumo desse mês em apenas 2 horas acabou por tirar a essência da história.

O filme não têm um foco especifico, o que poderia ser a história de Troia acaba sendo a história de Aquiles, mas mesmo esse, é deixado de lado muitas vezes. O telespectador fica sem saber do que o filme se trata.

Em muitas partes parecia que eu estava jogando Age of Mytologic.

No entanto há partes interessantes, como os diálogos de Aquiles com Briseida. ("Você decidiu amar os Deuses, agora deve saber que não é correspondida" esse cabe muito bem nos dias de hoje) E as, sempre, sábias palavras de Ulisses.

O fato de ter mostrado os dois lado da guerra com certa imparcialidade é um ponto forte do filme. O telespectador fica sem saber de que lado está, quem é do bem e quem é do mal (e se há alguma separação).

Mas ainda prefiro "A Odisséia"

Posted byTrunkael | Marcadores: | às 13:03 | 1 comentários

Tem ar de menina e jeito também,
sempre consegue o que quer, e mais além
Há uma aura de pureza que cobre seu corpo,
uma história épica descreve seu rosto
As vezes me perco em seu olhar,
outras vezes evito por temer encontrar
Inspira-me nas palavras mas não em atos,
prefere que seja musa a beijar seus lábios?

Entre risos e conversas paralelas, consegui entender o motivo pelo qual há sempre um grupo de alunos que parecem ser alheios às aulas. Isso pode ser considerado uma forma de taxar as pessoas, mas só depois de reincidências freqüentes, concretizei essa imagem do "malandro" em sala. Pessoas que invariavelmente sentam próximas umas das outras e nunca perdem a chance de democratizar um comentário irônico, ou distorcer a fala de alguém para criar uma piada instantânea.

Não posso dizer que (sempre) são alunos de baixo rendimento, ou que demoram para entender as matérias, mas tenho encontrado isso como um padrão. O fato é que quando o aluno não se interessa, não consegue assimilar facilmente ou não prioriza aquilo que lhe é apresentado; ele tende a concentrar sua atenção, inconscientemente, em algo mais fácil.

Os assuntos tratados nesses minutos de descontração são variados, mas há uma predileção em zuar os colegas "nerds" e a si próprios. No caso primeiro, vejo isso como uma forma de defesa. Defesa? Sim. Como disse no primeiro parágrafo (e não vejam isso como preconceito), há um certo padrão de comportamento apresentado por esses alunos, o que indica que o que o professor está explicando não os interessa (dificuldade, falta de interesse ou prioridades diferentes), de um jeito ou outro a matéria acaba lhe escapando do entendimento, enquanto seus colegas "nerds" fazem comentários pertinentes.

Como vivem em um "mundo" diferente, fazem o possível para enobrecer seus propósitos e repudiar a "nerdisse" alheia. E por esse motivo, os "intelectuais" contra-atacam com piadas que só são entendidas pelo grupo fechado deles.

Por causa dessas diferenças cria-se um richa que só serve para demonstrar o quanto um grupo incomoda o outro. No final, percebemos que nosso amigo Baltasar Gracian tem razão: "Metade do mundo ri da outra metade, e ambas são tolas".

Esse post complementa o "A perfeição incomoda" abaixo.

Não necessariamente todas as pessoas que se encaixam no perfil de Grácian incomodam as pessoas ao redor. Quando se atinge um grau maior de entendimento, que é o caminho para aqueles que sempre procuram se auto-lapidar, a empatia é tão grande, que pode-se saber em que momentos se pode falar, comentar e até ironisar, sem para isso ganhar o rancor de ninguém. Aprende-se principalmente a hora de ficar em silêncio, que muitas vezes é a melhor resposta.

Com ajuda de outras pessoas ou por auto-crítica aguçada, podemos administrar nossas palavras de maneira que até o tom de voz ajude na compreenção do que queremos dizer. Por olhares conseguimos ler os ânimos das pessoas e assim se adaptar a elas.

Por isso, já que aqui tratei dos "iluminados" que caminham para uma maior compreensão humana, as complicações sociais que tem como estopim suas ações, são culpa dos mesmos, pois esses que têm consciência de seus atos e não o contrário.

Ou seja, se uma pessoa é tão superior, deve saber o momento que pode, ou não, falar.

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 12:28 | 2 comentários

Antes eu não sabia o que era esse Blog (talvez ainda não saiba), mas li algo em "Mago, A Ascenção" que define muito bem o que eu tinha em mente quando o criei:

"Todos nós temos o potencial de nos tornarmos alguém melhor. Não sabemos exatamente o que, mas todos sentimos o chamado. Você também irá recebe-lo, em sonhos ou como pressentimentos e devaneios. Talvez o resto da humanidade não acorde, mas ao contrário do gado, você tem uma escolha. (...) Abre teus olhos e Desperta!"

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 12:20 | 7 comentários

Me lembrei de um dos alforismos de Baltasar Gracian em "A Arte da Prudência": "Permita-se pequenos deslizes" (ou algo parecido). Ele insita-nos a cometer pequenos erros e cultivar pequenos defeitos, por que tudo que é bom demais acaba sendo alvo para as pessoas que almejam a perfeição (não falo da perfeição utópica, e sim como uma metáfora para o que a sociedade vê como muito bom).

Darei um exemplo bem próximo a mim. Uma pessoa que é bonita, inteligente e carismática acaba sendo alvo de criticas de outros que almejam a "perfeição" da mesma. E isso gera intrigas o bastante para manchar a "invulnerabilidade" dessa pessoa. Por isso acho que o argumento de Gracian é válido para esse capítulo. Quando se é tudo que os outros invejam, as vezes é bom não se expor tanto, pois o incomodo que isso gera nas pessas ao seu redor, acaba sendo mais forte do que a boa impreensão que se causa nos poucos que se têm interesse.

Posted byTrunkael | Marcadores: , , | às 12:03 | 19 comentários

Letras são apenas signos representativos que representam um som (fonema). Palavras são apenas letras unidas tentando passar um conceito. Conceitos são apenas determinações sociais de como uma palavra pode funcionar em determinados contextos. Contexto é o que vai determinar a maneira que o receptor vai entender os conceitos.

É assim que funciona a comunicação, independente do meio. Por isso pode-se dizer que tudo aquilo que eu escrevo, deixa de ser meu, a partir do momento que eu o publico. Pois cada pessoa vai interpretar o texto da forma que mais lhe convir, usando sua biblioteca interna de conceitos e contextos. Muitas vezes o autor empírico (o de carne e osso) quer dizer algo, mas o autor-modelo (que o leitor cria) acaba por dizer algo completamente diferente.

O mal entendido acontece assim. O contexto em que o autor empírico vive, é diferente do que o leitor empírico está vivenciando, e por isso, quando o autor não tem conciência dessa diferença ele acaba deixando margem para outras interpretações. Temos que entender que nossos leitores não vivem as mesmas experiências que nós, e por isso devemos contextualizar cada palavra para que consigamos passar de forma concisa aquilo que estamos querendo dizer.

Deculpe-me por minha falta de concisão. Ainda estou aprendendo a escrever.

Posted byTrunkael | Marcadores: , , | às 11:58 | 2 comentários

Assim como há um leitor modelo, há também, um autor modelo que se difere do autor empirico. O autor modelo se parece muito com o "eu lírico", você não pode dizer que o autor real (no caso o Rafael que vos escreve, por exemplo) disse isso, ou aquilo, no texto, mas sim o autor modelo, que você imaginou, baseado nas informações contidas no texto.

Um exemplo simples é a grande diferença dos textos que publico aqui, em contraponto aos que publico no Inquisitor. São "eu líricos" diferentes, mas nenhum dos dois é o verdadeiro Rafael, e sim projeções de um novo Rafael que juntou várias informações em determinado contexto.

Acima de tudo devo frisar que o leitor empírico cria a imagem do autor modelo. Por isso, não podemos determinar a ideologia de um escritor baseado naquilo que ele escreve. Nunca é realmente ele, principalmente por que assim que o autor finaliza seus escritos, o texto deixa de ser dele, assim como ele, deixa de ser autor do texto.

O significado final de um texto é sempre dado pelo leitor, ele completa o texto, e vai entende-lo da maneira que lhe convir.

Posted byTrunkael | Marcadores: , , | às 11:45 | 2 comentários

O primeiro texto sobre Telluriam ficou meio confuso, então vou tentar explicar de uma forma diferente.

Imagine a Tellurian como um grande website, um portal que contém todas as informações da realidade. Nunca ninguém vai conseguir decodificar todas as informações que se encontra nesse portal, pois ele é atualizado a cada segundo com novas informações (hoje em dia a produção de artigos ciêntificos é tão alta, que ultrapasa a capacidade de leitura dos mesmos).

Quando você olha para o mundo, você não vê a realidade, vê apenas uma parte dela. Cada usuário está em um nível diferente nesse website, e muitas seções são simplesmente invísiveis para nós, há interesses a se defender, por isso os administradores (mídia, governo e religião) não disponibilizam todas as informações para todos. Deixam apenas algumas partes livres para que o povo se divirta ali, e se esqueça do restante.

Por isso, hoje em dia, vemos tantas pessoas presas em uma rotina interminável, e não estão aptos a aprender coisas novas. E isso não é culpa deles, o fato é que desde sempre foram condicionados a uma visão pequena. Lhe ensinaram, que o que passa na televisão é sempre verdade, assim como o que os padres (pastores e lideres religioso) dizem, é sempre a vontade de Deus. E assim, todos engolem a única versão da história, pois é mais fácil controlar um povo que não tem conciência do que se passa à sua volta.

É muito cômodo permanecer na ignorância ("a ignorância é uma benção"), principalmente quando se mora em um país que as pessoas não têm tempo para discutir, trabalham o dia inteiro, e de noite deitam no sofá para assistir novela. E não os culpo por isso, pois não há por que divagar sobre a condição humana se a maioria têm que se preocupar com o que vai comer amanhã (e se vai comer).

No entanto isso acaba sendo usado como uma desculpa para se manter no conforto da ignorância. É mais simples viver as mesmas experiências todos os dias, do que procurar novas experiências.

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 11:30 | 13 comentários

Os textos são códigos abertos, que vão entrar nas entrelinhas de sua mente, dependendo de como sua rede hipertextual de informações está montada. Agem como vírus procurando células boas para se multiplicarem.
Assim, poderíamos dizer que são os leitores que dão sentido ao texto a partir de seu conhecimento prévio.

Isso trouxe a Humberto Eco, a noção de Leitor Modelo. Todo texto é redigido à um tipo de leitor que detém as informações necessárias para decodifica-lo totalmente. Muitas vezes o leitor (o não-modelo, dito empírico) pode vir a entender um texto de forma incompleta ou contrária devido ao seu nível de formação cultural (não em nível pejorativo), e por isso que muita gente que passar por aqui não entenderá o texto abaixo.

Posted byTrunkael | Marcadores: , , | às 11:08 | 6 comentários

A realidade não é apenas aquilo que vemos, e muito menos, aquilo que querem nós mostrar. A realidade é mais. É tudo aquilo que podemos imaginar.

Nesse mundo, nós somos bombardeados de informações por todos os lados, e isso acaba inibindo o pensamento critico, para dar lugar ao conhecimento adquirido, que se transforma na chamada "argumentação de autoridade", você fala a partir do que ouviu falar.

O pensamento crítico usa todas as informações que absorvemos, mas de forma antropofagica, ou seja, digere as informações de maneira a suprir suas necessidades dialéticas da discussão, fazendo uma análise do objeto a partir de pressupostos racionais.

Quando percebemos que a informação propagada (televisão, religião, cultura) não são verdades absolutas, e sim fragmentos de uma rede hipertextual, que só terá sentido em determinado contexto (que as vezes são apenas mentais) tudo se transforma em filamentos da Trama e se penetra no Mundo. A diferença entre mundo e Mundo, é mais que uma letra maiúscula ou negrito. O mundo é como uma tela de televisão e você assiste a realidade que eles (os donos da informação citados acima) estão te passando. Já o Mundo, você percebe quando adquire consciência da Trama.

É como se você tomasse a pílula vermelha e acordasse para um Mundo. O caminho para Tellurian parte do mesmo caminho que os filósofos partiram: capacidade de se admirar com o Mundo, não deixando que as coisas se banalizem; certo cetismo para duvidar de tudo; e usar sempre a lógica para tirar conclusões.

Quando se assume uma postura cética, especialmente ao campo religioso e místico, o véu da Tellurian cai quase que por completo, revelando uma das partes mais interessantes do Mundo: você, se transforma no senhor de si mesmo, se reconhece a responsabilidade pela própria existência.

Mas não se preocupe com essa dialética confusa, manter-se no mundo, é muito mais confortável.

Posted byTrunkael | Marcadores: | às 11:06 | 1 comentários

Não esses que vêem com o sono, mas sim dos objetivos que apenas almejamos, mas nunca se realizam. Pois sonho é isso, ter a ilusão de que um dia conseguiremos algo. Alguns, se transformam em objetivos, quando se colocam datas para realização. Mas é muito mais confortável viver imerso nos sonhos. A esperança é confortável, muito mais do que a perseverança, que de tão complicada, não sei dizer o que significa. Os sonhos vêm como uma chama alta. Mas fogo de palha, que só vai sobreviver se jogar gravetos e depois galhos. A cada dia, jogamos um pouco de lenha nessa fogueira. E quando vem o frio, é para lá que nós corremos, o calor nos protege. Mas estranhamente, temos a mania de manter a fogueira acesa, mesmo no calor do verão.

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 10:58 | 3 comentários

Interessante ver como que as pessoas conseguem transformar um dos caras mais inteligentes do mundo, que ainda hoje, dois mil anos depois, emociona multidões, e cujo os ensinamentos são estudados por metade do planeta, em uma massa de carne de uns 70kg na mão de uns açogueiros sujos.

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 10:43 | 2 comentários

Meu tio, um cara intelectualizado, zen e rico, que até já foi pra India metidar com os mestres hindus, tinha esse, como seu livro de cabeceira. Por um golpe do destino, assim que entreguei o 1984 eu vi ele na prateleira, um livrão de 540 páginas que enche os olhos. Peguei e fiquei o fim de semana (passado) inteiro lendo-o.

É a história de Sinuhe, e se passa a 3000 anos atrás. Ele era o médico ("O" Médico) dos faraós. Entre intrigas, traições e guerras, foi ele que salvou o reino, que tirou pessoas do poder e colocou outras, e por suas ações, muitas pessoas morreram (muitas mesmo), mas a maioria indiretamente. É um livro gostoso de se ler, e foi com ele que eu percebi que os livros tem trilha sonora. É que eu o li escutando Solaris, e agora, sempre que ouço esse cd eu lembro de Sinuhe, o maior dos médicos.

Posted byTrunkael | Marcadores: | às 10:42 | 4 comentários

Esse poema ai de baixo, fiz no mesmo dia que o anterior. É bem bobinho como podem ver, mas achei interessante, ficou fácil de entender. Depois eu falo qual é o nome da modelo que posou para essa "foto".

Posted byTrunkael | Marcadores: | às 10:41 | 0 comentários

Teus cabelos são vermelhos
cor de teu temperamento
mal se olha no espelho
quando em arrependimento

Tua personalidade é forte
e tem gostos refinados
não liga para morte
pisa nos desafinados

Tem ódio de tud um pouco
ama apenas poucas almas
prefere beijar um louco
subjulga moças de saias

Torna-se rude e amarga
quando vé idéia contrária
o mal humor lhe assalta
quando perde a batalha

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 06:59 | 9 comentários

Mídia, pais, religião, amigos e sociedade em geral bombardeiam-nos com um mar de informações. A maioria dessas informações se referem a leis, cultura e senso comum, nos condicionando a ser "iguais" a todos. 

Esse condicionamento é (teoricamente) necessário para que exista civilização. Não há como formar uma sociedade, se as pessoas forem muito diferente uma das outras. O preço para esse conforto, é a liberdade. 


O condicionamento é uma arma eficaz para qualquer comportamento desejado. Assim são treinados os cachorros e demais animais. Acontece o mesmo com os seres humanos, mas num âmbito subjetivo. E esse condicionamento é mascarado pelo mito do "livre árbitrio". 


Se o condicionamento é uma arma tão poderosa, que pode mudar a personalidade de um ser (vide: Laranja Mecânica), decerto podemos usar essa arma em nosso favor. Não falo de manipular pessoas, mas sim de se auto condicionar. 


Com um auto-condicionamento, uma pessoa pode vir a ser aquilo que quiser, e a partir disso, ter aquilo que desejar. Ao treinar virtudes que são extremamente imporantes em nossa sociedade, tais como, inteligencia, eficácia, perseverança e sabedoria; evoluimos na escala social, profissional e financeira. 


Claro que o auto-condicionamento pode ser levado ao aperfeiçoamento fisico também, assim como qualquer outra virtude (ou não) que se queira adquirir. Tudo vai do desejo de cada um. 


Se vê a importância do auto-condicionamento (uma porta para sair da alienação) ao analisar que tipo de informações os exemplos do primeiro parágrafo nós impõe, tais como: consumismo e busca pela perfeição. Nos mostram o fim e condicionam-nos a admira-lo, mas não nos mostram o meio para conseguir chegar às formas perfeitas tão valiosas para o mundo de hoje. 


Portanto, ao ter conciência de sua própria alienação, pense nos seus desejos, e construam um meio para alcança-los por si mesmos.

o.O

Posted byTrunkael | Marcadores: | às 06:57 | 1 comentários

Eu tinha lembrado da "fórmula" de fazer poemas. Aquilo da rima AABB, ABAB, ABBA. Dai fiz esse poema. Não iria colocar no ar, mas a Bia gostou dele.

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 06:53 | 3 comentários

Pele branca e suave
Feições lindas, delicadas
Mãos de unhas bem tratadas
Tem beleza e tem Charme

Não tem ódio no coração
Mas também não há amor
Ao sorrir parece flor
Ao chorar obtém perdão

Não tem conciência de teu poder
Fica avermelhada
Sempre que cortejada
Com a alma a derreter

Tem jeito simples de falar
Porem firme e desafiador
Tece frases com ardor
Vence-te com o olhar

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 06:51 | 2 comentários

na Cabeça Dos incultos, que ignoram a sabedoria.

Interessante perceber, que mesmo pessoas que cursam o 3º grau trazem uma lista de verdades absolutas esculpidas na cabeça, por trás de paredes de aço. E que durante discurssões tão simples não demoram em aumentar o tom de voz, para não escutar o argumento alheio. 

Reagem como religiosos dogmáticos que são cegos para tudo aquilo que não está escrito no livro de seu Deus. Sendo incapazes de enxergar a luz por trás dos altos muros que protegem suas idéias. 


Não digo que vos deveis acreditar em minhas palavras, mas se estão dispostos a escuta-las, que ao menos tentem entende-las. Não há motivo para discutir, se ambos não abrirem suas mentes para teses alheias.

*Alusão ao texto de Talles, publicado na TC no ano passado.

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 06:48 | 0 comentários

Uma parte do "Cem anos de solidão", que eu queria compartilhar:

"- Diremos que o encontramos flutuando na cestinha - sorriu.
- Ninguêm vai acreditar - disse a freira.
- Se acreditaram nas sagradas escrituras - replicou Fernanda - não vejo por que não acreditar em mim.
"

...


Coloquei a data de publicação dos dois para que saibam qual veio primeiro. E agora um pouco sobre cada um. 

1984 é um livro que foi chamado de literatura politica, George Orwell diz que só escreve livros, quando algo o incomoda, e com esse, sua obra prima, não foi diferente. Ele diz que se queremos ter uma visão do futuro é so imaginar uma bota esmagando um rosto humano para sempre.


E 1984 é isso, mostra como um partido politico pode ser poderoso para sempre. Trabalhando muito com a memória das massas "atualizando o passado a cada dia" eles controlam tanto o presente quanto o passado e até o futuro.


Condicionam as pessoas mais inteligentes por meio de uma tortura insuportável, e a prole é calada com bombas.

O Grande Irmão é uma entidade que apenas ilustra o partido. Não existe. No entanto todos tem que ama-lo (e quando digo ama-lo, é realmente um amor incondicional). Até a esquerda foi eles próprios que criaram para controlar todos.


Guerra é Paz. Liberdade é escravidão. Ignorância é força.


Criou também uma lingua, que tirava todas as palavras e significados subversivos, para que as pessoas não precisasem nem pensar antes de falar, a comunicação era pura e simples.
Uma resenha melhor sobre esse livro você encontra aqui vamos então ao próximo.

Com Admirável Mundo Novo Huxley trabalhou em cima do condicionamento das massas. Antes mesmo de nascer, quer dizer, de ser decantado, pois não se nascia e sim, era-se cultivado (assim como em Matrix), você era condicionado, a ser, o que sua casta determinava. 


O feto era condicionado fisicamente, com produtos quimicos de diversas maneiras (exemplo interessante era o de mecânico de avião, que recebia mais oxigênnio quando ficava de cabeça para baixo). Por meio de diversos tipos de hormônio, tinha-se de apenas um óvulo, até 96 gêmeos idênticos, para trabalhar nas linhas de produção. 


Você já nascia com um designio, como uma peça fabricada para que a sociedade continuasse funcionado, não se tinha escolha.
Ao crescer, se era condicionado pelo sono. Toda noite, ao dormir, os bebês ouviam uma gravação dezenas de vezes, palavras que fariam você manter na linha de sua casta, não almejar nem mais nem menos do que você é. Condicionavam-te a ser feliz.


O sexo também era tratado de modo diferente, ao contrario de "1984" que existiam as ligas juvenis anti-sexo, aqui as crianças de 6 anos de idade já eram encorajadas a fazer brincadeiras sexuais, e como "cada um é de todos" também se condicionava as pessoas a terem muitas relações sexuais, com muitas pessoas diferentes, não podendo ficar com apenas uma pessoa por muito tempo. 


A visão dos selvagens também é interessante. John, recitava Shakspeare, e nenhum civilizado entendia. Ler livros era desperdicio de tempo.

Comparando esses dois mundos (eu prefiro o segundo) podemos ver que a visão de futuro de cada um dos autores, depende exclusivamente de sua ideologia. Enquanto Orwell primava por demonstrar com tamanha clareza um poder politico, Huxley usava o determinismo cientifico para criar uma sociedade perfeita, onde cada um tinha sua "missão" a cumprir, e ninguém almejava nada mais. Orwell é muito mais duro, muito mais fatalista, a descrição que ele fez da tortura de Winston foi o bastante para provar isso tudo. Huxley tentou mostrar um futuro menos doloroso, mas nos colocou como máquinas. Ambos são terriveis olhando pelo ponto onde estamos, mas ambos são prováveis. 


É uma ficção que nos leva a pensar na realidade de uma maneira diferente. Se você já ouviu falar do Exelon sabe muito bem do que eu estou falando, mas não entende, que o Grande Irmão está muito mais próximo do que imaginamos. E se já ouviu falar da engenharia genetica, também está muito perto de descobrir que em pouco tempo, a realidade de "Gattaca" (filme mais ou menos do enredo de "Admirável mundo novo") será tão palpável quanto a nossa.

Eu poderia começar dizendo como minhas lágrimas rolaram nas ultimas 10 linhas que deram final à essa maravilhosa obra. 

Poderia também dizer com que voracidade eu devorei esse livro de quase 400 páginas em poucos dias. 


Ou diria que, após lê-lo eu tive vergonha, de um dia, ter aspirado ser um escritor. 


Encheria o autor de elogios e colocaria trechos magnificos que aparecem a cada página. 


Descreveria personagens ou resumiria a história. 


Mas nada do que eu falasse sobre esse livro adiantaria. 


Simplesmente é o melhor livro que eu já li em toda minha vida.

Posted byTrunkael | Marcadores: , , | às 06:19 | 2 comentários

Marcos Bagno diria que a língua evolui nos erros de português. Então, para ele, a nossa amiga Solange estaria certa, em ter orgulho de sua ignorância. 

Mas eu não sou o Marcos Bagno, e não concordo com suas premissas. A população brasileira tem um problema sim, e maquiar esse problema dizendo que é evolução da lingua parece meio radical para mim. 


Mas vejamos então a ignorância como um fator politico. Pois todos sabemos que, para controlar um povo totalmente, devemos administrar sua ignorância, e isso foi feito de maneira exemplar durante o golpe militar de 1964. Tão bem articulado foi o processo de "ignorantização" durante a ditadura, que ainda estamos vivendo as sequelas de uma educação de péssima qualidade. 


Um exemplo explicito é a bagunça que o brasileiro arruma durante a copa do mundo (e somente durante a copa), dizendo que é o patriotismo. Isso foi instituido por, nada menos, que Emílio Garrastazu Medíci, um dos (se não o) General mais linha dura nos anos militares. Garrastazu saia enrrolado na bandeira do Brasil durante a Copa, enquanto seus homens caçavam e matavam todos os esquerdistas, ao som da música "Pra frente Brasil". 


Acabamos por não perceber que esse patriotismo, é tão ditatorial quanto a exaltação da ignorância, proposta por nossa amiga Solange, que ganha aliados a cada dia, que de tão ignorantes, não diferem mais a exaltação da humilhação.


*paródia ao livro "O Segredo de Luiza" - livro de administração em forma de romance

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 05:58 | 7 comentários

Em algumas horas atrás eu participei da palestra sobre o Golpe de 64, que completou 40 anos dia 31.
Achei interessante uma certa colocação de um professor, que disse ter nascido em 63 e se colocou como um dos filhos do golpe. 


Relacionei exatamente com minha data de nascimento, 84, logo, sou um filho da liberdade.
Liberdade? 


"Nós não tivemos uma grande guerra, não tivemos uma grande depressão. Nossa guerra é espiritual, nossa depressão é a nossa vida"
(Tyler Durden) 


Diria ainda que, nossa guerra é o mercado de trabalho, e nossa depressão é o consumismo.
Saimos de uma ditadura militar, para entrar em uma ditadura do capitalismo. Somos escravos do consumismo.

E ainda nesse assunto, me lembrei da "Identidade Cultural na Pós Modernidade" assunto de nossa aula de sociologia. Conseguimos delinear várias identidades que se formam pelo mundo, ele cita o exemplo dos jamaicanos que construiram uma identidade marcantes (rastafari e maconha).
Nós, brasileiros, somos seres sem identidade, sem filosofia, e com uma ideologia distorcida, filhos do nada em direção a um nada maior.

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 05:53 | 10 comentários

Ontem eu fui para casa com raiva. De quê? Não sei, não sei, acho que eu estava decepcionando muito uma pessoa (e provavelmente essa pessoa era eu), ou talvez outras pessoas estão me decepcionando. Mas provavelmente o motivo é que eu apostei muitas fichas em pessoas e acabei perdendo.

Que tipo de metáfora é essa? Bom, vou explicar. Quando conhecemos pessoas, nós temos uma primeira impresão delas, e conforme essa primeira imprensão te agrade, você aposta fichas nessa pessoa. A vida continua, como um jogo, e essas pessoas do qual você apostou algumas fichas, pode retornar mais fichas, com um lucro interessante, ou te dar um grande prejuiso emocional.

Bom, acho que eu estou tendo prejuisos, apostei muitas fichas em pessoas que não estão dando retorno. No entanto, tem certas pessoas que eu apostei pouquissimas fichas e que me deram um retorno muito mais interessante. A primeira impresão nos engana, nunca acredite nela.
Bom, nesse dia (ontem) eu fui embora indignado. E... não vou falar mais sobre isso.

Posted byTrunkael | Marcadores: | às 05:50 | 2 comentários

"Uma vida saudável requer uma dieta balanceada. A ingestão adequada de nutrientes é fundamental para o bom funcionamento do organismo. Uma dieta balanceada é aquela que oferece as calorias e os nutrientes adequados para cada indivíduo em quantidades equilibradas de proteínas, carboidratos, gordura, vitaminas, sais minerais e fibras. Alguns alimentos, como o leite, têm um importante papel na dieta humana, pois fornecem uma variedade de nutrientes de alta qualidade. O leite também é a principal fonte de cálcio do organismo, o cálcio fortalece os dentes e os ossos."

Por isso, Beba Leite!

Mas lembrem-se, nunca façam alguma coisa só por que alguém mandou, ok!

É ano eleitoral, então vou falar um pouco sobre politica.

Eu já trabalhei na Prefeitura da minha cidade por um bom tempo, e estava lá na época em que o Lula foi eleito. Além de presidente tinha a eleição de deputados estaduais e federais, aqui tínhamos alguns candidatos disputando a mesma vaga. Fui fiscal pela Prefeitura e acompanhei de perto o sistema eleitoral, que possivelmente é a mesma burocracia que ocorre em todo Brasil.



Em eleição os funcionários contratados da Prefeitura poderiam (deveriam) participar das eleições, e tinham 3 cargos: Fiscal, Informante e Boca-de-Urna. Exatamente, boca-de-urna. Naquela época eu já sabia o que era o boca-de-urna, mas nunca pensei que isso fosse tão evidente nas eleições. Em todas as esquinas tinha um, esperando para dar o bote no primeiro ignorante que passasse em sua frente. 


Ignorante? Sim. Ignorantes (os que ignoram), velhos, quem mora na roça, e qualquer outro alienado que passasse na rua, que está ali apenas por que é obrigado, enquanto poderia estar trabalhando ou qualquer coisa que o valha. Esses eram os alvos, tipo de pessoa que não acompanha a politica, e se chegar na urna sem nenhuma "cola" que os boca-de-urnas distribuem, na certa votariam em branco. 


Claro que isso foi uma generalização, sempre tem pessoas que parecem alienadas mais não são, talvez até tenham uma forte opinião politica. Mas entendam, estou falando da maioria.


De fato, mais da metade dos eleitores votam apenas por obrigação, e sem nenhuma conciência do que está fazendo, e por isso, a guerra politica acaba sendo muito mais significativa no dia das eleições do que nos horários politicos e debates, que nem 10% da população assiste.


Com certeza o voto é de suma importância para qualquer cidadão, mas obrigar pessoas a votar mesmo não sabendo ler ou escrever é uma grande burrice. Não digo que o voto deixe de ser obrigatório de uma vez por todas, pois assim o dia de eleição seria apenas mais um feriado para o calendário brasileiro. Mas com certeza não devemos obrigar pessoas não esclarecidas a se aventurar no meio politico sem ter conhecimento algum sobre qualquer candidato. 


Instituiríamos então o voto como um direito de todos, e um dever, apenas, para aqueles que tem no mínimo 2º grau completo. Não é preconceito, pois todos continuam tendo direito de votar. De certo você está pensando que existem muitas pessoas que nunca frequentaram a escola mas tem mais conhecimento politico do que eu. Sim, estão certos, mas como já disse, isso é uma generalização.


Nem todo analfabeto é burro e nem todo universitário é politicamente ativo, mas se essas pessoas, que não têm conhecimento politico não fossem obrigados a votar, teríamos eleições muito mais competitiva, já que os politicos discurssariam para pessoas que realmente entendessem o que estão falando, e de quebra, acabaríamos com os boca-de-urnas, que, na verdade, são os que conseguem fazer a cabeça do maior numero de eleitores, quase inutilizando os grandes debates na televisão.

PS: Haveria um problema apenas, o voto seria mais caro, sim, mais caro para o politicos que compram muitos votos nas áreas pobres da cidade. Não sendo obrigado a votar, não seria tão interessante se locomover de sua casa, enfrentar fila para depois exercer sua "cidadania", isso acarretaria o aumento do preço dos votos, fazendo com que os corruptos tivessem menos poder sobre o povo.

Estava agora a pouco lendo alguns textos antigos que eu escrevi para TC e percebendo o quanto eu escrevo mal, puts eu sou uma negação como escritor, meus textos não tem profundidade, não chegam a lugar nenhum, e nem ao menos merecem ser lembrados em um post como esse. 

E o pior é que nem adianta pensar que eu melhorei, pois com certeza, daqui a alguns meses eu verei o quanto eu escrevo mal hoje, e assim indefinidamente. 


É bem estranho pensar que naquela época eu lia relia um texto meu e ficava maravilhado com tamanha perfeição, sem saber o quanto poderia me arrepender de certos escritos. 


Bom vou parar de falar e convida-los para que visite o Museu Trunkael e riam de minha cara.

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 05:34 | 0 comentários

Muito bom filme, possivelmente por que eu não fazia idéia do que esperar dele, é bem diferente de tudo que eu já havia assistido, e carrega uma filosofia interessante. Não deixa de ser confuso e as vezes bem vago, mas as situações (por que o filme é feito de situações e não de uma ideologia fixa) são extremamente bem montadas. A hora da Diane então é espetacular. 

Muito sexo, drogas e crime. A vida dos 5 sujeitos gira em torno das drogas, mas em certo momento eles vão parar, vão fazer sexo, vão voltar, se drogar mais, começar a traficar, parar no mesmo dia, voltar ao sexo e as drogas.


Mas isso não é o principal, pois o bebê estava andando no teto, e ele já tinha morrido.


Sim, é viagem, pura viagem. Eu sugiro que deixe seu computador ai e vai dar uma volta naquela montanha lá ó.

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 05:30 | 4 comentários

Não, o filme não é ruim, mas é que ouço falar dele a 3 anos, e só agora que fui assistir. Sei lá, eu estava preparado para algo que mudaria minha vida. Diziam que Clube da Luta era uma mera cópia de Laranja Mecânica. Todos fizeram muito barulho sobre esse filme, e não atendeu minhas expectativas (que eram altíssimas). 

Um filme sobre condicionamento? 


Sim, e apenas isso. No começo achei que eles justificariam a violência, mas isso não aconteceu. A violência não foi justificada. Em certa parte achei que ele estava fingindo (tipo o Edward Norton em "As duas faces de um crime") mas também me enganei, era real, tinham conseguido mudar o garoto. Em outro momento pensei que ele se tornaria uma lenda, mais uma decepção. 


Mas como disse, o filme não é ruim, minha expectativas que estava muito alta, e me decepcionou.
Há partes extremamente interessantes, por exemplo a leiteria, tudo que se passa lá é muito interessante, o ambiente é muito massa, o esquema do leite drogado é magnífico. Outra parte muito massa é quando está no hospital (no final) e o médico e a enfermeira saem de trás da cortininha vestindo as roupas. 


Há muitas outras partes boas, mas o filme em si não ficou tão interessante quanto eu esperava.

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 17:56 | 3 comentários

Eu estava vendo umas notícias no Yahoo e me deparei com a medida provisória que reserva 10% (ou 20%) das vagas públicas para negros. Não sabia que eles tinham levado essa idéia adiante. Ai está o texto que fiz no ano passado sobre esse assunto:

Anda tramitando algo sobre 10% das vagas das faculdades serem reservadas para os negros. Já temos garantido na Constituição Federal, 10% de vagas para deficientes em qualquer tipo de concurso. Agora eles querem estender esses direitos aos negros também. 


Questionei pelos motivos desse projeto do MEC, será que os negros são considerados inferiores pelo governo para terem vagas reservadas? Será que os negros estão comemorando esses 10% como uma vitória? Ou como uma humilhação? 


Acredito na segunda opção. 


Mas será que os negros farão protestos contra isso? 


"Não queremos esmola", "Não somos menos inteligente que ninguém", "Enfiem esse 10% nos seus buracos". 


Ou talvez fiquem acomodados: 


"Bom, se tem 20% de negros fazendo as provas, e 10% de vagas é obrigatoriamente nossa, temos de um jeito ou outro, 50% de chance de entrar, 45% a mais que qualquer branquelo por ai." 


Polêmico. Esse projeto é no mínimo polêmico. Vejamos no mercado de trabalho. Você é ruivo. E mais adiante, 5% do mercado de trabalho será reservado aos ruivos. Você chega na empresa, vai fazer a entrevista coletiva e o entrevistador pergunta: quem leu o jornal de hoje? 


Você meio sem graça, não levanta o braço por que não leu o jornal. Então o entrevistador diz: todos os que não leram podem ir embora. Você começa a se levantar para sair, e então o entrevistador diz: não, você não, o único ruivo daqui, pela lei você já garantiu seu emprego, nem precisa fazer as próximas etapas. 


Frustrante. Ganhou um emprego pela cor do seu cabelo. Não é pela sua competência, pelo seu currículo ou pelo seu diploma. Ganhou um emprego pela cor de seu cabelo. Apenas pela cor do seu cabelo. 


Poderia ser engraçado se não fosse sério. 


Não estou querendo questionar os "direitos" de ninguém aqui, mas acho que esse ato é mais do que discriminativo. É racismo enrrustido. Todo ser humano tem capacidade de passar no vestibular, basta estudar. 


Mas como sabem, não posso fazer nada, nem contra nem a favor, apenas ficarei aqui, olhando para ver no que vai dar.

Era uma vez um homem que nasceu no dia errado. Tinham dito que um ser mega-poderoso nasceria naquele dia, e por isso ele deveria ser morto. Pobre menino, que cresceu escondido, não podia conversar com ninguém (embora sempre conversava com os velhos sábios da cidade), que não podia brincar, pois seus poderes poderiam levar uma criança direto ao inferno (e depois, quem sabe traze-la novamente). Era uma criança que não tinha sexo, mas que foi passado para história como um homem. 

Essa criança cresceu, conheceu pessoas, viajou e estudou tudo que poderia estudar, encontrou com tantos sábios quanto podia encontrar, e se formou na escola da vida. Era o mais novo filósofo da nova era passando uma mensagem de paz por todos os lugares. Carismático o bastante para conseguir vários seguidores. Convincente o bastante para que sua palavra seja ouvidas nos quatro cantos do mundo. Famoso o bastante para que os poderosos queiram sua morte. E conseguiram. 


E ele conseguiu também. Era um cara esperto, sim, muito esperto. Escreveu a história que seria contada, e sabia que deveria morrer, pois só depois da morte que se consegue a eternidade, seria imortal enquanto sua palavra perdurasse. 


Parece que ele estava certo, sua idéia ainda paira pela mente de alguns poucos cristãos, e para o resto sua imagem só foi trocada pela imagem do Papai Noel e do Coelhinho da Páscoa, dependendo da época do ano.

Posted byTrunkael | Marcadores: | às 17:49 | 5 comentários

Vocês agora já sabem que o sabonete é feito de gordura, sim, gordura gosmenta e pegajosa, e que saiu de um ser vivo, que saltitava pelos gramados verdejantes. Até que morreu. Virou comida de humano. E de seus ossos foi tirada a gordura supra mencionada. Algo nada agradavel, pegajoso, eu já disse. 

Você é essa gordura. Eu também sou. E se for olhar bem, a maioria dos seres humanos que estão sobre a face da terra não passam de gordura, em diferentes estados de pureza, claro, mas continuam sendo a gosmenta gordura. 



Mas essa gordura vai sendo purificada durante a vida, as experiencias, conhecimentos e sabedoria que adquirimos durante a vida vão nos refinando. A gordura vai deixando de ser uma massa gosmenta e pegajosa, e quando temos um etendimento maior do mundo em que vivemos e das pessoas que convivemos, conseguimos até um pouco de perfume, para ficar mais agradável. 


No fundo não passamos ainda de gordura, mas o processo da vida vai nos transformando em sabonete. Alguns chegam na fase de desodorização bem rápido, enquanto outros, vão morrer sem saber o que é o hidróxido de sódio. 


Por isso, vivam e esperimentem o máximo de sensações e conhecimentos que a vida pode lhe dar, e Seja um Sabonete.

Posted byTrunkael | Marcadores: , , | às 17:40 | 2 comentários

Eu nunca dei valor às fotografias, achava coisa simples, pegar uma câmera e sair tirando fotos como em festas de aniversário. Mas ai conheci Amanda uma garota que gosta de fotografar.
No começo não a entendia. Não percebia a maneira como as fotos poderiam resumir a vida "Uma imagem vale mil palavras" (o contrário também é verdade). 


Eu estou no Fotolog dela e olhando as fotos antigas, quando ela tinha um cabelo maior, parece que a conheço a anos, e fico viajando nas histórias que não passamos juntos, sei lá, as fotos me levam a um passado que não tive, e me faz reescrever lacunas de minha vida. Em partes parece um deja-vu.
Tive algumas aulas de mediações técnicas, e estamos tratando sobre a fotografia como um traço do real. Não como um segundo que foi imortalizado, mas sim uma pintura, que nós passa tanto o sentimento do ser fotografado, quanto o do fotógrafo. 


Sentimento, acho que era ai que eu queria chegar. As fotos estão começando a despertar sentimentos, como se eu mesmo estivesse lá no momento exato do clique. Uma aura de leveza encobre certas fotos, enquanto outros dão uma aflição duradoura. 


A arte. Fotografia é arte. E aprendi isso por causa da Amanda.

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 14:21 | 9 comentários

"Na História Antiga os sacrificios humanos eram feitos nas colinas à beira dos rios. Eram milhares de pessoas. Nesses sacrificios os corpos eram queimados numa pira. Depois que dezenas de pessoas são sacrificadas e queimadas. Chove na pira ardente ano após ano, as pessoas são queimadas ano após ano, e a água penetra o carvão que se transforma em soda cáustica, e a soda se mistura com a banha derretida dos sacrificios e uma gosma de sabão se desprende do pé do altar e desce pela encosta em direção ao rio. Onde o sabão cai no rio depois de milhares de anos, a chuva a gente morta, os antigos descobriram que as roupas lavadas nesse lugar ficam mais limpas. As culturas que não conhecem o sabão, usam a própria urina e a urina de seus cachoros para lavar as roupas e o cabelo, por causa do ácido úrico e da amônia. Fizeram bem em matar toda aquela gente. Vai ver que o primeiro sabão foi feito de Heróis. Pense nos animais usados em testes de produtos. Pense nos macacos lançados ao espaço. Se eles não morressem, se não sofressem, sem o sacrificio deles não seríamos nada."

Tyler Durden

Posted byTrunkael | Marcadores: | às 14:13 | 9 comentários

Primeiramente esqueça todas as suas crenças, apenas por um momento. Agora imagine que Deus não existe, e que nunca existiu, e que tudo que fazemos tem uma causa e consequência, e que toda a mudança do mundo é feita por causas naturais. Imagine também que a inteligência humana é um acidente, um defeito poderíamos dizer.

Se pensarmos bem, talvez seja verdade. E se realmente o universo fosse formado por uma grande explosão que fez com que a matéria se espalhasse por ai. Dai em alguns bilhões de anos depois, por pura sorte do sol estar no lugar onde está a terra começa a ter formas de vida simples.

Alguns anos (milênios) depois, por algum acontecimento anormal essa forma de vida vai conseguir se auto multiplicar, e assim vai evoluir até chegue a ser um mamifero muito parecido com o macaco. Imagine também que toda a natureza vivia em perfeito equilibrio. E agora pense que um desses ancestrais do macaco nasceu com um tumor no cerébro, tumor esse que multiplicou os neuronios, e deu uma capacidade primitiva de raciocinio. E que antes de morrer, esse macaco conseguir disseminar seus genes em várias fêmeas. E pelo menos 50% desses filhotes nasceram com essa "doença".

Imagine que depois de algumas gerações eles se adaptavam melhor à natureza, e os outros do grupo foram morrendo até que sobrou apenas essa nova raça. O resto não precisa nem imaginar, ocorreu a seleção natural que ocasionou a evolução até que chegasse ao estado que hoje estamos.

Depois de percorrer toda essa possivel história da humanidade, imagine que o meteoro, que extinguiu os dinossauros, não tivesse caido na terra...

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 14:10 | 3 comentários

No momento em que todas as matérias (do curso de jornalismo) estão direcionadas para o assunto: cotidiano, eu recebi um texto sobre a rotina, e mais estranho do que isso é perceber que mesmo aqui em outra cidade, com tantas pessoas desconhecidas e tantas coisas diferentes para fazer, eu esteja caindo nessa armadilha.

Os dias estão começando a ficar iguais, o tempo tem passado mais rápido, a simples presença de algumas pessoas já passam a me irritar, minha personalidade autista começa a querer sair novamente, e minha paixão por livros teve uma queda.

Mesmo tendo um fim de semana bem legal (festa, festa e torneio de magic) cheguei na segunda feira sem nenhuma vontade de pensar, preferia estar apenas assistindo um filme.

Falando nisso, está na hora de assistir o Clube da Luta (pela 11ª vez) na casa do X-Kuei, até a próxima.

Posted byTrunkael | Marcadores: , , | às 14:02 | 3 comentários

Ótimo filme, altamente recomendado.

A cada fragmento de memória uma peça nova é apresentada, e quanto pensamos que o filme está totalmente previsível que nos supreendemos mais uma vez.

As indagações que esse filme trás são impressionantes, ele trabalha com pensamento de diversos filósofos (Freud, George Santayana, Berkeley, etc) e faz como que o telespectador coloque-se no lugar do personagem principal a todo momento.

Como sua memória são suas anotações, ele não reconhece nada que não tenha escrito, ou tatuado pelo corpo. Assim então ele vai forjando sua própria realidade a cada dia.

A esposa dele foi assassinada, e desde então ele quer vingaça contra o assassino, trabalha como um detetive, com o auxilio de um Policial (Teddy).

Para conseguir viver sem sua memória de curto tempo ele faz anotações e tira fotos, e têm que confiar nesses apetrechos para que saiba o que estava fazendo.

Após um acidente, o protagonista Leonard passa a sofrer de Amninesia instantânea. Ele lembra de tudo que aconteceu antes do acidente, mas sua memória se tornou incapaz de gravar.

Primeiramente devo contar-lhes que o filme se passa de trás para frente, e isso dá um efeito magnifico.

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 14:01 | 2 comentários

Resolvi mudar meu template, dai depois só resolvi animar o banner e tudo bem, pois eu gosto do meu template!

Há muito, muito tempo atrás, eu tive contato com as tais mensagens subliminares através de uma página chamada (adivinhem) Mensagem Subliminar HP (que se tornou uma ong) e também pela Sobrenatural HP (sim na época eu ainda era um viciado em "drogas"). Ficava maravilhado ao ver esses "doutores" do bem mostrarem ao mundo o quanto pode ser nociva uma simples propaganda na televisão.

As Mensagens foram utilizadas iniciamente como propaganda Subliminar em cinemas, que faziam as pessoas consumirem mais pipoca e Coca-Cola. E hoje é utilizada por toda parte, principalmente se um maníaco sexual estiver procurando, já que esses, acham grandes pênis em tudo enquanto é canto.

O que outrora era uma pesquisa séria para mim, acabou se transformando em motivo de piada, visitava as mencionadas páginas com exclusiva inteção de rir um pouco da "imaginação" alheia. É bem interessante ver que certas pessoas vêem mulheres nuas até na cerveja sendo derramada no copo (interessante eles ainda não atentarem ao fato de que a garrafa de cerveja parece um pênis e que o copo pode ser representado por uma vagina molhadinha, e o ato de beber cerveja é extremamente estimulante).

Mas não se preocupem, Freud explica isso: a falta de sexo causa uma doença chamada vejopenisemtodososlugares (inclusive, dizem os especialistas, que o fundador da ONG Mensagem Subliminar foi o primeiro a contrair a tal doença, por falta de sexo) doença que foi levada à comunidade científica após o público ter conhecimento das Mensagens Subliminares. Assim, os portadores, agora sem vergonha, mostram para todos que ali há um pênis "um pênis oh! tá vendo?" - "É mesmo! Um pênis! Um pênis!".

Fica assim demonstrado o grande bem que os estudos de mensagens subliminares estão fazendo para os portadores da doença vejopenisemtodososlugares que param de visitar sites pônos, e agora se masturbam vendo rótulos de cervejas.

Sabe uma coisa que me chamou muita atenção nesses 3 livros, todos tem cunho budista. "O Filho do Amanhecer" é um livro budista, "O Mundo Virtual" tem budismo escorrendo pelos chips, e "Clube da Luta" sim, tem budismo. O personagem principal, quando estava começando a entender Tyler, fazia poemas HAIKAI, e para toda a forma de dor, ele se fechava e dizia-se o monge iluminado.

O Mundo Virtual, também trata de anarquia, fato ilustrado pela Terra de Ninguém, no Gametime, e Filho do amanhecer, também (principalmente) mostra a busca do self, como a maior forma de sabedoria e poder. Mas em Clube da Luta que tudo acontece ao mesmo tempo. A pancada que o livro dá na sua cabeça é tão forte (assim como foi o filme, ao assistir pela primeira vez) que você fica horas, talvez dias, tentando decodifica-lo, entende-lo, digeri-lo. E a noite tentando dormir, fica regurgitando as informações, tentando perceber o que a emoção não deixou que entendesse antes.

O Filho do Amanhecer é tão irreal (não pelos ensinamentos, mas pela história que o garoto vive) que não conseguimos nos colocar no lugar do Hakim. O Mundo Virtual é tão possivel e utópico ao mesmo tempo, que parece que estamos assistindo um filme (as imagens se formam espontâneamente em nossa cabeça). Mas em Clube da Luta, nós, somos o personagem principal, o autor nem sequer usa travessão para indicar a fala, e fica como se sempre estivesse dialogando em pensamentos. É perfeito.

/Fim das considerações/

Eu o havia comprado a quase um mês, mas não tinha coragem de abri-lo, minhas mãos tremiam, tive que tira-lo de minha vista para não sucumbir à tentação. Tinha que esperar o momento certo. E aquele era o momento. Comecei a ler, palavra por palavra, página por página, e a cada capítulo, eu parava e pensava.

As frases, os poemas, o pensamentos...

Jack? Não! Joe.

O Projeto de Ações violentas estava nas ruas, todos temiam, todos participavam. Tyler era invencivel, se tornava uma lenda.

Mas quem é o autor de Tyler? Qual seu nome? Jack? Bob? Tyler? Não! Não sabemos.

Mas ele estava vivo, e fazia o que tinha que fazer: vivia, matava e morria todos os dias.

No final, ele está no céu...

"E eu era uma pessoa tão gentil"

(Este também comprei por impulso, estava a R$ 5,90, e parecia uma história interessante)

O Filho do amanhecer trata-se de uma pequena história de um garoto de rua em busca pelo poder. Ele anda por várias cidades, conversa com muitos sábios, todos já parecem conhece-lo a muito tempo e partilham de sua experiência expontâneamente.

O livro é bem simples de ler, é uma parábola que resume os ensinamentos de Deepak Chopra (pai do Guama), e por isso, o achei muito breve, incompleto, e leva do nada a lugar nenhum. Claro que tem muitas frases interessantes, idéias legais, e maneira interessante de ver certos fatos. Mas no final a idéia principal passa desapercebida, mas talvez eu que não tenha dado tanto valor, sei lá. Vai do nada para lugar nenhum, mas o caminho é que importa. Isso é interessante.

De todo jeito, recomendo-o para todas as pessoas que se simpatizam com o budismo (hey Acid) por que ele pode abrir portas para vários caminhos que ainda não conhecemos.

(Quando fui à Leitura, a idéia era comprar apenas o livro Clube da Luta que eu tinha encomendado, mas eles estavam em liquidação, e sabe como é né, um livrão de 400 páginas por apenas R$ 4,50 (isso mesmo, quatro e cinquenta) não poderia ser deixado para trás)

Todos sabem que Matrix mudou a noção de realidade, e principalmente todas as 8 (ou 9) artes por todo o mundo. "O Mundo Virtual" é um filho de Matrix. Livro que trata de um futuro próximo, onde nós teremos diversão diretamente injetada na mente. Nosso cérebro será conectado à rede, e por apenas impulsos cerebrais poderemos divertir pelos diversos mundos virtuais.

Só que deu pane no sistema, e milhares de mentes de crianças (apenas crianças, pois os adultos morreram instantâneamente) estão presas no Gametime. Gobi, que é um profissional de consultoria cármica das empresas do ramo, é designado para salvar o mundo virtual, tendo que achar o presidente da empresa Satori (do Gametime) e conseguir o código de acesso. O filho de Gobi está preso no Gametime tb.

Bom, não vou continuar contando o livro. O comprei com uma pitada de dúvida, pois estava muito barato, mas logo me vi viciado, pois têm linguagem simples, aborda questões interessantes, e tem uma simbologia rica. Mistura budismo, espiritismo, hinduismo, cultura japonesa e tecnologia, em uma dose interessante. Têm milhares de analogias. Aposto que o Acid ia gostar (ou não).

Vale a pena.

Posted byTrunkael | Marcadores: , , , | às 12:35 | 12 comentários

 Estava navegando por um determinado forúm, e cai em uma discussão sobre "As origens satânicas do Rock". Nem continuei procurando, pois daqui a pouco acharia tópicos como: "RPG causa atentado terrorista na França"; "Achado fósseis de Adão e Eva para comprovar Gênesis"; "Como fazer para adotar uma baleia que está nadando do outro lado do mundo" ou até "Salve-se: O juizo final está próximo".

Eu realmente achei que não existiam mais esse tipo de discussão na internet, por que aqui as pessoas tem tanto acesso à informação, que conseguem diferenciar o real do (ridicularmente) irreal. E agora me deparo com pessoas ainda dizendo que Rock é coisa do demônio, possivelmente haverá forúns discutindo a idade de Adão, os ETs que vigiam a Terra, as energias que emanam de um livro de RPG.

Há espaço para esse tipo de discussão ainda? Sim, claro que há, vamos discutir a história do Rock, a possivel existencia de vida (bem longe daqui) fora da terra (onde podemos apenas supor), e como as empresas estão usando RPG para treinamento de pessoal e auditoria interna. Mas colocar mitos nas discussões? Pra quê? Se não passam de mitos, por que então devem ser discutidos?

O misticismo chama muita atenção de todos, mas querer colocar o sobrenatural (ou seja, "o que não é natural") como fato cientifico. Não é possivel que as pessoas ainda discutam a existências de demônios, todos eles são imaginários, nós mesmo os criamos. Parece que os crentes tem medo que o demônio suma da face da terra, pois assim não terão com quem lutar, e de quem proteger os fiéis.

As pessoas têm que aprender a pensar. Não estou dizendo que todos que acreditam em duendes são ignorantes, mas sim, que temos uma mente questionadora, temos uma razão, e também temos bom-senso, e devemos usa-los pelo menos de vez enquando, para que, pelo menos, não fiquemos alienados a assuntos que são totalmente desnecesários à nossa vida.

A natureza por si já é misteriosa o bastante para que uma pessoa passe toda sua vida estudando, e mesmo assim morra sem nada saber sobre ela. Para que então ficar discutindo a "sobre-natureza" que não pode ser vista, e muito menos estudada cientificamente, e que, pior ainda, vai te levar apenas do nada, para lugar nenhum.

O que digo, não é uma questão de desrrespeito à crença de outras pessoas, mas sim um pedido para que usem o bom-senso de vez enquando, e pensem com a própria cabeça, e não como a sua igreja, televisão ou familia, querem que você pense.

"Não é possível convencer um crente de coisa alguma, pois suas crenças não se baseiam em evidências; baseiam-se numa profunda necessidade de acreditar."
Carl Sagan

Posted byTrunkael | Marcadores: , | às 12:28 | 5 comentários

Em alguns de meus antigos textos, eu usava o termo "acordado" para descrever a pessoa que vive plenamente sabendo que nasceu para ser feliz mesmo sabendo que um dia (com certeza) vai morrer, um ser que faz o que quer, com a responsabilidade que deseja.


Lembro também, que em determinado texto, eu pedi a opinião do BM e ele disse que não gostava do termo "Acordado". Não sei, talvez por que seria apenas uma forma de dizer que todos estão dormindo.

Hey BM, descobri que o verdadeiro sujeito que cunhou a "idéia acordado" foi o Nietzsche, creio que todos aqui o conhecem. Ele criou um termo chamado Super Homem (ou Sobre-Humano) que tem a conotação que eu queria dar para o termo "Acordado".

... Interessante ....

Agora, pensando bem, Acho que você já sabia disso o.o ...

Há quem diga que a, solução é o amor.

Talvez seja a mitica felicidade.

Ignorância, alguns diriam (pois, dizem, que ela leva à felicidade).

E talvez a morte, se for alguém mais pessimista.

Mas em fatores práticos, será que problemas poderiam ser resolvidos com apenas determinação? Ou quem sabe seria mais interessante esquece-los, enterra-los. Será que eles tem solução?

Alguém (que poderia ser eu) diria que os problemas são todos imaginários, e que nós mesmo os criamos, e os induzimos, para que possamos pensar em como resolve-lo. É utopia pensar que existe uma maneira fácil de sair deles, justamente por que precisamos sempre de desafios a serem alcançados. Se você fosse uma pessoa que não tem muitos problemas, na certa não teria muitas soluções para uma pequena complicação.

BM me lembrou a pouco tempo de uma interessante frase no livro "Ilusões" do Richard Bach: "Não existe um problema que não ofereça uma dádiva para você". E é por isso que procuramos/criamos problemas, para garantir a experiência que podemos ganhar resolvendo-o (algo parecido com guerreiros que matam dragões para ganhar seu tesouro?).

Problemas, crises, depressão, sindrome-de-qualquer-coisa. Tudo de alguma forma é criado por nossa própria mente, para que possamos crescer.

Você pode esconde-lo, chutá-lo ou ingnora-lo, mas só vai receber a sua recompensa se resolve-lo de forma definitiva. Por isso, quando você criar um problema, dê valor a ele, entenda-o, pois são eles que darão força e conhecimento para você continuar evoluindo.

"Encare seus problemas, nem que seja para conseguir suas dádivas"

Posted byTrunkael | Marcadores: | às 12:09 | 5 comentários

Ultimamente não tenho mais devaneios como eu tinha.

Não sei, acho que tudo caminha para a banalização, e me sinto banalizado agora. Penso que tenho que mudar alguma coisa, talvez minhas convicções não sejam tão fortes como imaginei. A tentativa de ser diferente tem tapado meus olhos para algumas verdades.

Nesse exato momento (talvez pq esteja gripado) eu me sinto um "nada" no mundo, alguém que não pode nem ao menos gritar, e mesmo se o fizesse não seria escutado, e, mesmo que escutado, não seria entendido, e se fosse entendido, possivelmente seria ignorado.

Posted byTrunkael | Marcadores: , , | às 12:06 | 1 comentários

Hey John, realmente o livro do Assimov não poderia ser tão ruim. Após comentário do Marcel, e de ter visto um post no blog dele, louvando o Isaac, eu tive que dar mais uma chance para o cara, e achei mais uma pérola. O conto se chama: "A Resposta Final" e é magnifico, esse é um pouquinho mais extenso e não vou compilar aqui, mas farei um resumo da história.

Um físico ateu morreu. E veja bem, encontrou com Deus. E deus lhe dissera que ele era um dos poucos que ali chegavam. O físico questionou intrigado, e Deus respondeu que as pessoas mais inteligentes são delegados para responder perguntas metafisicas por toda a eternidade. Mas o fisico não quer, pois Deus já sabe todas as respostas, e resolve que descobrirá como matar Deus. O Todo Poderoso, louco por um desafio, aceita e deixa o físico a pensar.

Mas para um ser quer sempre viveu, e sempre viverá, e do qual a unica coisa que não sabe é de onde veio e para onde vai, não seria a maior conquista do universo achar alguém que lhe desse um fim?

Foi muito resumido, mas creio que entenderam a essência da coisa, não vou me dar o trabalho de explicar.
Ponto para você Marcel.

Já era de se esperar que Cidade de Deus não ganhasse nada, mas eu não esperava que Senhor dos Aneis ganhasse tantos Oscar. Não que não tenha merecido, pois valeu cada grama do ouro daquelas estatuetas (se é que são feitas de ouro). O resultado não poderia ser melhor, e ao lado de Titanic e Ben-Hur temos agora a obra de J.J.R. Tolkien.

Realmente foi o melhor filme que já assisti (como uma grande produção e não como ideologia, que no caso é Clube da Luta), e acho que poderiam até dar um oscar a mais, por que merecia.

Filme: Mestre dos Mares

Achei bem interessante também a premiação de Mestre dos Mares, assisti ele na sexta e gostei muito apesar de tantos comentários contra ele. Não sei nada tecnicamente sobre fotografia, mas reconheço que a trilha sonora mereceu, comandante e médico, tocavam violino e violãocelo o tempo todo, o que dava um toque bem confortável ao filme.

Houve cenas e frases muito boas, a parte em que o médico tira a bala do próprio abdomen é maravilhosa, tanto quanto a parte em que ele tem que deixar o fruto de sua expedição na ilha galápagos para trás.

Outra questão que merece comentário, são as crenças dos marinheiros: "eles podem aguentar tudo em alto-mar, menos um Jonas". Quando o azar invadia o barco uma pessoa era apontada como o azarento, o Jonas, e assim o amaldiçoavam. E, é claro, esse se sente amaldiçoado. O jovem rapaz (não me lembro o nome, o tal Jonas) ficou com um peso tão grande sobre sua cabeça, que pegou uma bola de canhão e pulou ao mar. Acho que devido as circunstancias, até eu faria o mesmo.

Muito bom filme. Se eu fosse cunhar um adjetivo, eu diria que é um MM cinematógrafico (hey BM não me venha falar que estou te copiando).

Posted byTrunkael | Marcadores: , , | às 05:01 | 4 comentários

*digerindo o livro que foi devorado ainda hoje*

Bom... eu tentaria não falar o nome de Tyler Durden, mas não há como não comparar "Utopia" com a filosofia de Tyler: "quero ver as pessoas caçando a própria comida nas ruinas de NY".

"Utopia" (literalmente não-lugar) descreve como seria o sistema politico perfeito, que é colocado em prática na ilha de Utopia, uma sociedade que não usa dinheiro e o trabalho é perfeitamente dividido. Resumindo: o mundo socialista (ou comunista, tanto faz) perfeito, e ele descreve com acertada precisão esse sistema.

Mas...

Para mim pareceu uma cidade como a de O Demolidor (aquele com Stalone e Sandra Bullock) só que de forma primitiva. As pessoas vestem-se iguais, estudam (se estudam) as mesmas coisas, ganham a profissão do pai e são controladas pelos patriarcas.

A idéia é bem engenhosa, ele descreve os valores das coisas, a tática de comércio e de guerra, mas para mim não passa de um mundo de robozinhos que ficam tão entediados com a vida que o que vier é lucro. É utópico (e ele mesmo cunhou essa expressão) por que não daria certo de forma alguma.

Muitos líderes com certeza gostariam de controlar esse rebanho manso, mas creio que a rebeldia iria nascer no seio dessa sociedade de um jeito ou de outro, para acabar com regime tão tedioso.

Ele acertou em quase tudo, só esqueceu do livre-arbitrio (se é que isso existe) colocando muitas leis morais de cunho religioso. O ser humano não conseguiria manter-se como uma ovelha durante tanto tempo.

Apesar de não concordar com a sociedade proposta por ele, muitos argumentos utilizados são impressindiveis, e esses que tornam o livro tão interessante. A maneira como ele escreveu também me chamou muita atenção, e creio que vale a pena você investir 2 horas de sua vida para ter conhecimento dessa magnifica obra do século 15.

Não. Esse não é o livro que inspirou o filme "Advogado do Diabo" e não se assemelha nem um pouco.

É a história do Sacerdote que estava à beira da morte, e que teria que servir como Advogado da Fé (Advogado do Diabo) no julgamento do aspirante a santo: Giacómo Nerone.

Giacomo era um desertor que conseguiu chegar na cidade de Gemello (não lembro se é assim mesmo que escreve), foi recebido por uma camponesa e curado pelo médico da cidade. Desde então ele ajudou a pequena vila em tudo que poderia, sendo conhecido e reconhecido pelo povo, no mesmo momento em que acontecia a 2ª guerra mundial.

Por assuntos politicos ele foi morto, e desde então a população tem pensado que ele fazia milagres. Esse culto cresceu, e dai o bispo de Gemello Maiore (...) pediu canonização.

O Sarcerdote Inglês, que trazia em seu coração a poeira das bibliotecas (como dizem) foi chamado para resolver o caso, mesmo sabendo-se que teria no máximo mais um ano de vida decorrente de um tumor.

Ele se mete numa rede de intrigas e conflitos nas 2 pequenas cidades, mas consegue se aproximar das pessoas pela primeira vez na vida, sentir o calor humano, coisa que só sabia em teoria.

A história caminha entre o sacerdote, o médico, a camponesa, um pintor, o filho do santo e a condessa da cidade, e descreve muito bem cada pensamento que molda o jogo de interesses de cada um.

O mais interessante é que não há uma luta entre o bem e o mal, há pessoas e interesses próprios e com um final que não poderia ser melhor.

Livro meio chato de ler, mas é muito bom. Recomendado.

Hum... eu li esse livro semana passada e até esqueci que o tinha lido.

É a carta de Flória Emília, a amante de Santo Agostinho, para seu amado anos depois de ter sido deixada pelo mesmo em prol do celibato proposto pela religião cristã.
Auriel (que se tornaria Santo Agostinho mais tarde) amava Flória tanto quanto, e tinha relações carnais com a mesma antes do casamento (não houve casamento entre eles, ela seria o que chamavam de concubina), mas depois de conhecer a religião de Cristo acabou por se separar de Flória para que se tornasse um Santo.
Flória manda essa carta como que uma leve vingança. Após ter sido deixada, ela estudou filosofia a ponto de se tornar professora de retórica, e agora, uma mulher culta bombardeia seu antigo amor com todos os argumentos que podem contradizer tal religião.
É maravilhoso o modo como ela escreve sem ser rude, mas fazendo-se entender, e ao final percebemos o quanto Auriel esteve errado em fazer o que fez.

Essa é uma carta original, ela não foi escrita pelo Gaarder, mas sim comprada quase que por acaso, em um sebo de livros raros, e creio que seja de vital importância para o repertório de qualquer amante da filosofia.

É um livro de ficção científica que nem terminei de ler, é muito ruim, muito mesmo, tem vários contos, e como era de se esperar, um salva. Mas você não vai precisar pegar para ler essa única página que salva, é tão boa que vou colocar aqui.

Foi assim que aconteceu

Meu irmão começou a ditar, em seu melhor estilo oratório, aquele que mantém as tribos dependuradas em suas palavras.
- No princípio - dizia ele, - exatamente a quinze vírgula dois bilhões de anos, houve uma grande explosão, e o universo...
Mas parei de escrever. - Quinze bilhões de anos? - disse, incrédulo.
- Absolutamente certo - alegou ele. - Estou inspirado.
- Não estou questionando sua inspiração - disse eu. (Era melhor que não. Ele é três anos mais jovem que eu, mas não procuro questionar sua inspiração. Nem ninguém mais, ou já sabem o inferno que terão de aguëntar.) - Mas você vai contar a história da criação por um período de quinze bilhões de anos?
- Preciso - disse meu irmão. - Foi o tempo que levou. Tenho tudo aqui - e bateu em sua testa - a mais alta autoridade.
Mas agora eu já tinha pousado meu estilete. - Sabe quanto está custando o papiro?
- Quê? - (ele pode ser inspirado, mas frequentemente notei que a inspiração não incluia assuntos sordidos como o preço do papiro).
- Suponha que você descreva um milhão de anos de eventos em cada rolo de papiro. Isso quer dizer que você precisará de quinze mil rolos. Precisará falar o suficiente para encher todos eles e sabe que vai começar a gaguejar, depois de algum tempo. Vou precisar escrever o suficiente para encher todos eles e meus dedos vão cair. E, mesmo que pudéssemos pagar todo esse papiro, e você tivesse a voz, e eu a força, quem vai copiar? Precisamos ter garantidas umas cem cópias antes de podermos publicar e, sem isso, de onde virão os nossos royalites?
Meu irmão pensou um pouco. - Acha que devo resumir?
- Bastante, se espera atingir um grande público.
- Que tal uns cem anos?
- Que tal seis dias?
Ele replicou, horrorizado: - Você não pode espremer toda a Criação em seis dias!
- É todo papiro que tenho. O que você acha?
- Ora, está bem - e começou a ditar denovo: - No princípio... - Precisam ser seis dias, Arfão?
E eu respondi, firme: - Seis dias, Moisés.

Designer Webdesigner

Copyright 2010 Devaneios Gratuitos